Xavier, Duque de Parma

http://pt.dbpedia.org/resource/Xavier,_Duque_de_Parma an entity of type: Thing

Xavier, Duque de Parma e Piacenza, chamado Francisco Javier de Borbón y Parma de Bragança (Villa Pianore, Lucca, 25 de maio de 1889 - Chur, 7 de maio de 1977) foi o chefe da Casa de Bourbon-Parma e pretendente carlista ao trono de Espanha (1936 - 1952 como regente, 1952 - 1975 como rei) sob o nome de (Francisco) Javier I.Xavier era filho de Roberto I de Parma, e de sua segunda esposa, a infanta Maria Antónia de Portugal.Foi seu padrinho de baptismo Carlos Maria de Bourbon e Áustria-Este que era o anterior pretendente carlista mas que morreu sem descendência.
Xavier, Duque de Parma 
Madeleine de Bourbon-Busset 
Don_Javier_1960.jpg 
Príncipe Xavier no casamento de sua filha Maria Francisca, Princesa de Lobkowicz 
Príncipe Xavier 
Francisco Javier de Borbón y Parma de Bragança 
Roberto Hugo 
xsd:integer 15 
Período 
Carlos Hugo de Bourbon-Parma 
Maria Francisca, Princesa de Lobkowicz 
Princesa Cecilia 
Princesa Maria Teresa 
Princesa Maria das Neves 
Príncipe Sixto Henrique 
Príncipe Xavier no casamento de sua filha Maria Francisca, Princesa de Lobkowicz 
Xavier, Duque de Parma e Piacenza, chamado Francisco Javier de Borbón y Parma de Bragança (Villa Pianore, Lucca, 25 de maio de 1889 - Chur, 7 de maio de 1977) foi o chefe da Casa de Bourbon-Parma e pretendente carlista ao trono de Espanha (1936 - 1952 como regente, 1952 - 1975 como rei) sob o nome de (Francisco) Javier I. Xavier era filho de Roberto I de Parma, e de sua segunda esposa, a infanta Maria Antónia de Portugal. Foi seu padrinho de baptismo Carlos Maria de Bourbon e Áustria-Este que era o anterior pretendente carlista mas que morreu sem descendência. Entra para a universidade em Paris, onde se qualificou como engenheiro agrónomo e bacharel em Ciência Política, concluindo seus estudos em 1914. Participa na Primeira Guerra Mundial como um oficial de artilharia do exército de Bélgica, e combate nas frentes belga, francesa e inglesa. Activamente envolvido nos preparativos para o golpe militar que começa na Guerra Civil Espanhola, presidindo um conselho supremo militar irá proporcionar um grande número de armas aos rebeldes. Após a vitória nas eleições de fevereiro de 1936, pela Frente Popular Espanhola, estabeleceu contacto com o general José Sanjurjo e Emilio Mola ("Diretor" da conspiração), autorizando a milícia carlista, por uma ordem assinada 14 de julho, para se juntar à revolta, cuja vitória em Navarra contribui decisivamente. Em 5 de Agosto, o pretendente Afonso Carlos I nomeou-o general dos exércitos reais e mais morre sem deixar descendência directa. Na Segunda Guerra Mundial, tal como na Primeira, ele alistou-se no exército belga, como o coronel de artilharia, após a invasão nazista do país. Após a conquista foge para o centro da França, na área abordada pelo regime colaboracionista do marechal Pétain. Ao toma parte na Resistência Francesa. em 22 de julho de 1944, é levado preso para Vichy pela Gestapo. Depois de ser condenado à morte acusado de terrorista, comunista e inglês, interceder por ele Pétain e vai para a jurisdição militar comum, para a prisão em Clermont-Ferrand e depois para o campo de extermínio Natzweiler na Alsácia. Mais tarde devido ao avanço dos Aliados é transferido para Dachau. Novamente é evacuado para Prax, no Tirol e finalmente liberto pelas tropas norte-americanas, a partir de Itália , em 08 de maio de 1945. Em 26 de junho de 1950 jura pela liberdade dos bascos na árvore de Guernica. Um ano depois, em Dezembro de 1951, jura pelo catalães em Montserrat. En maio de 1952, persuadido pela necessidade de ser nomeado rei pelo Conselho Nacional da Comunhão Tradicionalista, aceita concluir os dezasseis anos de regência sendo auto-proclamado rei de Espanha em Barcelona. Pouco depois é expulso de Espanha. Envia então a seus filhos, sendo especialmente relevante o papel de seu filho Carlos Hugo de Borbón-Parma, Duque de Parma, que se presenta na qualidade de príncipe de Astúrias por primeira vez em 5 de maio de 1957, em Montejurra (Navarra). Em 20 de abril de 1975 Xavier abdicou em favor de seu referido filho, Carlos Hugo, suas posições como chefe da Casa de Bourbon-Parma, e Carlista. Dos anos depois falece na cidade Suiça de Coira (Chur), no cantão de Graubünden, com 87 anos de idade. 
xsd:nonNegativeInteger 88 
Francisco Javier de Borbón y Parma de Bragança 
Príncipe Xavier 
xsd:integer 2370208 
xsd:nonNegativeInteger 6366 
xsd:integer 44734925 

data from the linked data cloud