Tratado de Berlim (1878)

http://pt.dbpedia.org/resource/Tratado_de_Berlim_(1878)

O Tratado de Berlim, concluído em 13 de julho de 1878, foi acordado entre as principais potências da Europa e o Império Otomano, e determinou o estabelecimento de um verdadeiro regime de controle permanente sobre a administração interna do império, de maneira a garantir o que os europeus invocavam como um mínimo aceitável de direitos, em particular a "liberdade religiosa" para os cidadãos submetidos à lei turca.Assinado no final do Congresso de Berlim, modificou o Tratado de Santo Estêvão, ao qual se opunham o Reino Unido e o Império Austro-Húngaro, e que instituía a "Bulgária Maior".
Tratado de Berlim (1878) 
xsd:integer 13 
xsd:integer 1878  1954  1979 
Gladstone, William Ewart 
Millman, Richard 
Taylor, A. J. P. 
xsd:integer 13 
Clarendon Press 
Oxford University Press 
SouthEast Europe 1878.jpg 
xsd:integer 230 
xsd:integer 978 
Sudeste europeu após o Congresso de Berlim 
Berlim 
Tratado de Berlim 
Império Alemão 
Império Otomano 
Império Russo 
Império Austro-Húngaro 
Reino de Itália 
Britain and the Eastern question, 1875-1878 
The struggle for mastery in Europe: 1848-1918 
The Berlin Treaty and the Anglo-Turkish Convention: speech of the Right Hon. W.E. Gladstone, M.P. in the House of Commons on Tuesday, July 30th, 1878 
O Tratado de Berlim, concluído em 13 de julho de 1878, foi acordado entre as principais potências da Europa e o Império Otomano, e determinou o estabelecimento de um verdadeiro regime de controle permanente sobre a administração interna do império, de maneira a garantir o que os europeus invocavam como um mínimo aceitável de direitos, em particular a "liberdade religiosa" para os cidadãos submetidos à lei turca. Assinado no final do Congresso de Berlim, modificou o Tratado de Santo Estêvão, ao qual se opunham o Reino Unido e o Império Austro-Húngaro, e que instituía a "Bulgária Maior". O Tratado de Berlim reconheceu a independência dos reinos da Roménia, em 1881, da Sérvia, em 1882, de Montenegro, em 1910 e a autonomia da Bulgária, embora esta última permanecesse sob tutela formal do Império Otomano e fosse dividida em três partes: o Principado da Bulgária, a província autónoma da Rumélia Oriental e a Macedónia, devolvida aos otomanos, impedindo os planos russos para uma Bulgária Maior russófila. A província otomana da Bósnia e Herzegovina, bem como o antigo Sanjak de Novi Pazar, foram colocados sob ocupação austro-húngara, embora formalmente continuassem a integrar o Império Otomano. Os três recém-independentes estados proclamaram-se como reinos (Reino da Roménia em 1881, Reino da Sérvia em 1882 e Reino do Montenegro em 1910), enquanto a Bulgária proclamaria a independência total em 1908, após se unir à Rumélia Oriental em 1885. A Áustria-Hungria anexou a Bósnia em 1908, despoletando uma séria crise europeia. O Tratado de Berlim concedeu estatuto jurídico especial para alguns grupos religiosos, mas também serviu de modelo para o Sistema de Minorias , que foi posteriormente estabelecido no âmbito da Liga das Nações. Também vagamente chamado para uma retificação fronteira entre a Grécia e o Império Otomano, que ocorreu após longas negociações em 1881 com a transferência de Tessália à Grécia. De acordo com o historiador britânico AJP Taylor: "Se o tratado de San Stefano tivesse sido mantido, tanto o Império Otomano e Áustria-Hungria poderiam ter sobrevivido até os dias atuais. Os ingleses, com exceção de Beaconsfield em seus momentos mais selvagens, esperavam menos e eram portanto, menos desapontados." Salisbury escreveu no final de 1878: "Vamos criar uma espécie frágil de domínio turco no sul dos Balcãs. Mas é uma mera trégua. Não há vitalidade neles". 
xsd:nonNegativeInteger 65 
xsd:integer 447921 
xsd:nonNegativeInteger 7688 
xsd:integer 44113898 

data from the linked data cloud