To Live Is to Die

http://pt.dbpedia.org/resource/To_Live_Is_to_Die an entity of type: Thing

"To Live Is to Die" é uma canção semi-instrumental da banda americana de heavy metal Metallica, de seu álbum ...And Justice for All, de 1988.Mantendo a tradição dos dois álbuns anteriores da banda(Ride the Lightning e Master of Puppets), a faixa instrumental aparece no final deste álbum, e é uma das mais longas. Com um total de 9:49 minutos, por pouco mais de duas décadas "To Live Is to Die" foi a mais longa gravação original de estúdio a ser lançada em álbum pela banda. Com o lançamento de Death Magnetic, "Suicide & Redemption" passou a ser a gravação de estúdio mais longa gravada pela banda, com 9:58 (embora "Mercyful Fate", de Garage Inc., tenha 11:12 minutos, ela não é só um cover como também é uma medley de cinco canções diferentes).
To Live Is to Die 
<second> 589.0 
xsd:integer 25 
To Live Is to Die 
#"Blackened" #"…And Justice for All" #"Eye of the Beholder" #"One" #"The Shortest Straw" #"Harvester of Sorrow" #"The Frayed Ends of Sanity" #"To Live Is to Die" #"Dyers Eve" 
Janeiro–Maio de 1988, nos estúdios One On One, em Los Angeles, Califórnia 
xsd:double 589.0 
"To Live Is to Die" é uma canção semi-instrumental da banda americana de heavy metal Metallica, de seu álbum ...And Justice for All, de 1988. Mantendo a tradição dos dois álbuns anteriores da banda(Ride the Lightning e Master of Puppets), a faixa instrumental aparece no final deste álbum, e é uma das mais longas. Com um total de 9:49 minutos, por pouco mais de duas décadas "To Live Is to Die" foi a mais longa gravação original de estúdio a ser lançada em álbum pela banda. Com o lançamento de Death Magnetic, "Suicide & Redemption" passou a ser a gravação de estúdio mais longa gravada pela banda, com 9:58 (embora "Mercyful Fate", de Garage Inc., tenha 11:12 minutos, ela não é só um cover como também é uma medley de cinco canções diferentes). "To Live is to Die", no entanto, possui uma letra que é falada (e não cantada) no fim da canção (a partir de 7:35), versos escritos pelo poeta alemão Paul Gerhardt e popularizados no filme Excalibur, de 1981. A canção foi composta como um tributo ao baixista Cliff Burton, morto num acidente de ônibus durante uma turnê da banda, em 1986. A música consiste de riffs que Burton havia anotado mas que não haviam sido utilizado em qualquer canção até sua morte. O próprio título é uma frase que Burton apreciava. James Hetfield toca o segundo solo de guitarra, realizado durante a seção mais lenta no meio da canção. Esta é a última canção lançada pela banda na qual Burton teve o crédito de autoria, e foi a única faixa instrumental gravada com Jason Newsted no baixo. 
xsd:nonNegativeInteger 55 
To Live Is to Die 
xsd:integer 2647647 
xsd:nonNegativeInteger 3111 
xsd:integer 44466039 
<minute> 9.816666666666666 

data from the linked data cloud