Templo egípcio

http://pt.dbpedia.org/resource/Templo_egípcio

Os templos egípcios eram edifícios construídos para o culto oficial dos deuses e para celebrar os faraós do Egito Antigo, tanto em seu território como nas regiões sob seu domínio. Estes templos eram vistos como casas destes deuses ou reis para os quais haviam sido dedicados, e dentro destas residências os egípcios realizavam diversos rituais, que consistiam das funções centrais da religião egípcia: fazer oferendas aos deuses, reencenar suas interações mitológicas através de festivais, e afugentar as forças do caos. Estes rituais eram tidos como necessários para que os deuses continuassem a sustentam a maat, a ordem divina do universo. Cuidar e abrigar estes deuses era uma obrigação dos faraós, que por este motivo dedicavam enormes quantias de seu tesouro para construir e manter estes templ
Templo egípcio 
xsd:date 2011-02-24 
xsd:integer 1961  1967  1969  1973  1978  1984  1986  1991  1993  1996  1997  1998  1999  2000  2001  2003  2004  2005 
Fagan, Brian 
Quirke, Stephen 
Teeter, Emily 
Redford, Donald B. 
Arnold, Dieter 
Assmann, Jan 
Bleeker, C. J. 
Dunand, Françoise e Christiane Zivie-Coche 
Egypt State Information Service 
Evans, J. A. S. 
Frankfurter, David 
Haring, B. J. J. 
Johnson, Janet H. 
Lehner, Mark 
Lipiński, Edward 
Meeks, Dimitri e Christine Favard-Meeks 
Reymond, E. A. E. 
Ritner, Robert Kriech 
Robins, Gay 
Sauneron, Serge 
Shafer, Byron E. 
Snape, Steven 
Spalinger, Anthony J. 
Spencer, Patricia 
Ucko, Peter J., Ruth Tringham, G. W. Dimbleby 
Wilkinson, Richard H. 
Brian M. Fagan 
Mark Lehner 
Richard H. Wilkinson 
The Role of the Egyptian Priesthood in Ptolemaic Egypt 
outubro de 1998 
verão de 1993 
Brown 
British Museum Press 
Cornell University Press 
Manchester University Press 
Oxford University Press 
Princeton University Press 
Thames and Hudson 
Westview Press 
Duckworth 
E. J. Brill 
Departement Oriëntalistiek 
Kegan Paul International 
Nederlands Instituut voor het Nabije Oosten 
Shire Publications 
The Oriental Institute of the University of Chicago 
ISBN 0-8014-3399-1 
ISBN 0-19-510234-7 
ISBN 0-19-511374-8 
ISBN 0-19-512633-5 
ISBN 0-500-05084-8 
ISBN 0-500-05100-3 
ISBN 0-500-05107-0 
ISBN 0-691-07054-7 
ISBN 0-691-11488-9 
ISBN 0-7103-0065-4 
ISBN 0-7141-0993-2 
ISBN 0-7190-0311-3 
ISBN 0-7478-0327-7 
ISBN 0-8014-3115-8 
ISBN 0-8014-3786-5 
ISBN 0-8014-8654-8 
ISBN 0-8014-8853-2 
ISBN 0-8133-4061-6 
ISBN 0-85263-789-6 
ISBN 0-87451-321-9 
ISBN 0-918986-75-3 
ISBN 0715605895 
ISBN 90-6258-212-5 
ISBN 90-70192-03-9 
Journal of Near Eastern Studies 
KMT 
Yale Classical Studies 
xsd:integer 545450 
xsd:integer
xsd:integer 1988  1994 
xsd:integer 100 
Temples of Ancient Egypt 
The Temple in Ancient Egypt: New Discoveries and Recent Research 
Building in Egypt: Pharaonic Stone Masonry 
Daily Life of the Egyptian Gods 
Egyptian Painting and Relief 
Egyptian Temples 
Gods and Men in Egypt: 3000 BCE to 395 CE 
Man, Settlement and Urbanism 
Popular Worship in Ancient Egypt 
State and Temple Economy in the Ancient Near East 
Temples of the Last Pharaohs 
The Complete Temples of Ancient Egypt 
The Cult of Ra: Sun Worship in Ancient Egypt 
The Egyptian Temple: A Lexicographical Study 
The Encyclopedia of Ancient Egyptian Architecture 
The Mechanics of Ancient Egyptian Magical Practice 
The Mythical Origin of the Egyptian Temple 
The Oxford Encyclopedia of Ancient Egypt 
The Priests of Ancient Egypt, New Edition 
The Search for God in Ancient Egypt 
Tourism: Introduction 
Egyptian Festivals: Enactments of Religious Renewal 
Religion in Roman Egypt: Assimilation and Resistance 
Egyptological Studies in Honour of Richard A. Parker 
The Limitations of Formal Ancient Egyptian Religion 
The Rape of the Nile: Tomb Robbers, Tourists, and Archaeologists in Egypt, Revised Edition 
The Complete Pyramids: Solving the Ancient Mysteries 
Divine Households: Administrative and Economic Aspects of the New Kingdom Royal Memorial Temples in Western Thebes 
A Social and Economic History of an Egyptian Temple in the Graeco-Roman Period 
http://www.sis.gov.eg/En/Story.aspx?sid=1042 
xsd:integer 17  57 
Os templos egípcios eram edifícios construídos para o culto oficial dos deuses e para celebrar os faraós do Egito Antigo, tanto em seu território como nas regiões sob seu domínio. Estes templos eram vistos como casas destes deuses ou reis para os quais haviam sido dedicados, e dentro destas residências os egípcios realizavam diversos rituais, que consistiam das funções centrais da religião egípcia: fazer oferendas aos deuses, reencenar suas interações mitológicas através de festivais, e afugentar as forças do caos. Estes rituais eram tidos como necessários para que os deuses continuassem a sustentam a maat, a ordem divina do universo. Cuidar e abrigar estes deuses era uma obrigação dos faraós, que por este motivo dedicavam enormes quantias de seu tesouro para construir e manter estes templos. A realização da maior parte destes rituais era delegada a um grupo de sacerdotes, e a maior parte da população não participava diretamente destas cerimônias, e era proibida de acessar boa parte das áreas sagradas de um templo. Ainda assim, os templos eram sítios religiosos importantes para egípcios de todas as classes, que frequentavam estes estabelecimentos para orar, fazer oferendas e procurar por conselhos oraculares vindos do deus que habitava neles. A parte mais importante do templo era o santuário, que costumava conter uma imagem de culto, uma estátua do deus a quem o templo havia sido dedicado. As salas do lado de fora do santuário foram expandidas e ficando mais elaboradas com o tempo, e os templos egípcios evoluíram dos pequenos santuários do fim do período pré-dinástico (fim do IV milênio a.C.) até os gigantescos edifícios de pedra do Império Novo (c. 1550-1070 a.C.). Estes edifícios estão entre os maiores e mais duradouros exemplos da arquitetura do Egito Antigo, com seus elementos dispostos e decorados de acordo com complexos padrões de simbolismo religioso. Seu projeto geralmente consistia de uma série de salões fechados, pátios abertos, e pilones colossais nas suas entradas, alinhados ao longo do caminho que era utilizado pelas procissões durante os festivais. O templo era cercado por uma muralha externa, dentro da qual estavam diversos edifícios secundários. Os grandes templos também eram proprietários de grandes extensões de terra, e empregavam milhares de cidadãos comuns para satisfazer suas necessidades. Assim, eram também centros de grande importância econômica, e não só religiosa. Os sacerdotes que administravam estas instituições poderosas tinham uma influência considerável, e apesar de sua aparente subordinação ao rei, chegavam a representar um desafio considerável à sua autoridade. A construção de templos no Egito continuou mesmo durante o período de declínio da nação, e sua posterior conquista pelo Império Romano. Com a chegada do cristianismo, no entanto, a religião egípcia passou a ser perseguida, e o último templo foi fechado em 550 d.C. Durante os séculos que se seguiram os edifícios sofreram grande destruição e abandono; no início do século XIX, no entanto, uma onda de interesse pelo Egito Antigo atingiu a Europa, dando origem à ciência da egiptologia e levando números cada vez maiores de visitantes aos restos desta civilização. Dezenas de templos ainda existem hoje em dia, em diferentes estados de conservação, e alguns se tornaram célebres atrações turísticas do Egito, contribuindo de maneira significativa para a economia moderna daquele país. Egiptólogos continuam a estudar as ruínas destes templos, que continuam a ser fontes de valor inestimável sobre a antiga sociedade egípcia. 
xsd:nonNegativeInteger 254 
xsd:integer 3333752 
xsd:nonNegativeInteger 85600 
xsd:integer 43470514 

data from the linked data cloud