Sociologia das emoções

http://pt.dbpedia.org/resource/Sociologia_das_emoções

A Sociologia das emoções se constituiu como uma sub-área da disciplina sociologia nos anos 90 do século passado como fruto de um processo iniciado nos Estados Unidos quase duas décadas antes . Herdeiros de duas escolas sociológicas distintas, a Funcionalista (Talcott Parsons) e a Interacionista Simbólica (George Herbet Mead, Herbert Blumer, Erving Goffman) os sociólogos norte-americanos (Randall Collins, Theodore Kemper, Jonathan Turner, Norma Denzin, Arlie Hochschild, Susan Shott, Steven Gordon e Thomas Scheff), desenvolvem, à partir das suas respectivas filiações, teorias sociológicas alternativas, e, até certo ponto, conflitantes, para emoções.As tensões conceituais e metodológicas entre tais proposições envolvem questões sociológicas fundamentais, cuja origem remota aos debates travado
Sociologia das emoções 
A Sociologia das emoções se constituiu como uma sub-área da disciplina sociologia nos anos 90 do século passado como fruto de um processo iniciado nos Estados Unidos quase duas décadas antes . Herdeiros de duas escolas sociológicas distintas, a Funcionalista (Talcott Parsons) e a Interacionista Simbólica (George Herbet Mead, Herbert Blumer, Erving Goffman) os sociólogos norte-americanos (Randall Collins, Theodore Kemper, Jonathan Turner, Norma Denzin, Arlie Hochschild, Susan Shott, Steven Gordon e Thomas Scheff), desenvolvem, à partir das suas respectivas filiações, teorias sociológicas alternativas, e, até certo ponto, conflitantes, para emoções.As tensões conceituais e metodológicas entre tais proposições envolvem questões sociológicas fundamentais, cuja origem remota aos debates travados entre os pragmatistas William James, John Dewey e George Herbert Mead: O que é emoção? Como estudá-la? Essas questões se desdobram em várias outras: Emoção é um fenômeno sociológico? As emoções são sócio-cultural ou biologicamente determinadas? Ou, as emoções são inatas e universais ou são culturalmente específicas? Qual a influência do social sobre a forma de sentir e de expressar as emoções? Ou, qual e como os sentimentos influenciam os comportamento e atitudes dos indivíduos? Os referencias teóricos da disciplina central se aplicam ao estudo das emoções ou são necessários conceitos específicos? É possível estabelecer relações entre emoções e macro estrutura?As respostas a essas questões que dizem respeito a definição do conceito sociológico de podem ser agrupadas, mais amplamente, em torno de duas posições, uma “universalista” e “biossocial” e a outra “construcionista” e “sóciocultural”. Para a posição “universalista” as emoções são inatas e estão pré-fixadas no organismo humano. Pressupondo haver uma correspondência entre as emoções e certas substâncias características produzidas pelo cérebro, concluem que as emoções humanas, independente da sua manifestação/expressão concreta nos diferentes indivíduos ou sociedades, são invariáveis. Os adeptos dessa posição propõem uma que a sociologia das emoções deve procurar as causas (sociais, psicológicas, fisiológicas) das emoções para explicá-las; deve utilizar-se do método quantitativo; deve ser capaz de prever as emoções e de formular “leis” gerais aplicáveis ao estudo do fenômeno. Seus adeptos geralmente dedicam-se a discussão teórico-metodológica. No extremo oposto, “construcionistas” admitem que as emoções possuam um substrato biológico, mas negam que as emoções possam ser automaticamente definidas pelas sensações corporais; em vez disso, a definição da emoção depende da interpretação das sensações pela pessoa. Decore daí que as emoções são diversas e plurais variando de uma sociedade para outra, e variando no interior de uma mesma sociedade ou cultura, a depender da classe, do gênero, etc. Como defendem que as emoções são construções da cultura para os partidários dessa posição o que importa é perceber como se dá o processo de “socialização emocional” das pessoas, as “regras” e os “vocabulários” que, naquela cultura, sancionam os sentimentos e definem as formas de expressão desejáveis para o sentir. Via de regra, privilegiam o uso de dados qualitativos e os estudos micros.Assim, enquanto os primeiros voltam o seu olhar para os aspectos da emoção que são comuns à espécie humana, o que é verdadeiramente “sentido”, independente da sua manifestação concreta, nas diferentes sociedade, os segundos se interessam pelo que as pessoas de diferentes sociedades ou grupos pensam sobre o que sentem e o que elas fazem (como lidam) com tais sentimentos.À medida que a sociologia das emoções se afirma como uma área específica de estudos, e se torna conhecida para além das fronteiras norte-americanas, as discussões teóricas e metodológicas que animaram o debate nos anos 70 e 80 perdem espaço no interesse dos pesquisadores. Mas, a superação das dicotomias (entre sensação e cognição) e dos reducionismos – da emoção a uma expressão corporal, fisiológica ou, no outro extremo, sem calor, reflexiva, e desprovida de sensações - estão longe de serem superados.Os sociólogos norte-americanos mostraram que emoções é um fenômeno sociológico. O estudo sociológico de emoções pode contribuir com a psicologia, a biologia e a neurociência para produzir uma compreensão mais rica e multifacetada do fenômeno. 
xsd:nonNegativeInteger
xsd:integer 4637903 
xsd:nonNegativeInteger 4479 
xsd:integer 41377878 

data from the linked data cloud