Segunda Cruzada

http://pt.dbpedia.org/resource/Segunda_Cruzada

A Segunda Cruzada foi uma expedição bélica dos cristãos do ocidente, proclamada pelo papa Eugénio III em resposta à conquista de Edessa aos cristãos do Levante pelo governador muçulmano Imad ad-Din Zengi em 1144. Pregada pelo carismático São Bernardo de Claraval, ocorreu entre 1147 e 1149 e foi a primeira cruzada liderada por monarcas europeus: Luís VII de França, Leonor da Aquitânia e Conrado III da Germânia.
Segunda Cruzada 
xsd:integer 1932  1936  1948  1953  1958  1976  1984  1992  2001  2007  2009 
Jonathan Phillips 
Lucas Villegas-Aristizábal 
Osbernus 
xsd:integer
St. Martin's Press 
Columbia University Press 
Manchester University Press 
University of Pennsylvania Press 
Yale University Press 
Wayne State University Press 
Aldeshot 
Charles Christopher Mierow 
Charles M. Brand 
Charles Wendell David 
H. A. R. Gibb 
Harry J. Magoulias 
Jonathan Phillips, Martin Hoch 
Kenneth Setton 
Michael Gervers 
Virginia Gingerick Berry 
inglês 
Londres 
xsd:integer
xsd:integer 65 
Crusades 8 
The Damascus Chronicle of the Crusaders, extracted and translated from the Chronicle of Ibn al-Qalanisi 
A History of the Crusades 
De expugnatione Lyxbonensi. The Conquest of Lisbon 
De profectione Ludovici VII in orientem 
Deeds of John and Manuel Comnenus 
O City of Byzantium, Annals of Niketas Choniatēs 
Anglo-Norman involvement in the conquest of Tortosa and Settlement of Tortosa, 1148–1180 
The Second Crusade and the Cistercians 
The Second Crusade: Scope and Consequences 
The Second Crusade: Extending the Frontiers of Christendom 
Gesta Friderici I Imperatoris. The Deeds of Frederick Barbarossa 
xsd:integer
A Segunda Cruzada foi uma expedição bélica dos cristãos do ocidente, proclamada pelo papa Eugénio III em resposta à conquista de Edessa aos cristãos do Levante pelo governador muçulmano Imad ad-Din Zengi em 1144. Pregada pelo carismático São Bernardo de Claraval, ocorreu entre 1147 e 1149 e foi a primeira cruzada liderada por monarcas europeus: Luís VII de França, Leonor da Aquitânia e Conrado III da Germânia. Revelar-se-ia um fracasso absoluto: os cruzados não reconquistaram Edessa nem nenhuma outra praça e deixaram o Reino de Jerusalém em uma posição política mais fraca na região; ao atacar a cidade-estado independente de Damasco que pontualmente se aliava aos ocidentais contra outros líderes muçulmanos mais poderosos, ajudaram à unificação do mundo islâmico do Levante sob o apelo à jihad. Isto acabaria por trazer enorme poder a líderes como Nur ad-Din e Saladino, culminando com a conquista de Jerusalém por este último em para os guerreiros cristãos nesta cruzada faria parte do movimento da Reconquista da Península Ibérica, e dever-se-ia à participação de uma frota na conquista de Lisboa em 1147, sob a solicitação de D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal. 
xsd:nonNegativeInteger 559 
xsd:integer 105216 
xsd:nonNegativeInteger 50539 
xsd:integer 44377255 

data from the linked data cloud