Sítios de arte rupestre do Vale do Coa

http://pt.dbpedia.org/resource/Sítios_de_arte_rupestre_do_Vale_do_Coa an entity of type: Thing

Os sítios de arte rupestre do Vale do Coa (AO 1945: Côa) situam-se ao longo das margens do rio Coa, sobretudo no município de Vila Nova de Foz Coa. Outros municípios abrangidos: Figueira de Castelo Rodrigo, Mêda e Pinhel.Forma uma rara concentração de arte rupestre composta por gravuras em pedra datadas do Paleolítico Superior (22 000–10 000 a.C.), constituindo o mais antigo registo de actividade humana de gravação existente no mundo.[carece de fontes]Em 2007, cerca de 16 500 pessoas visitaram o Parque Arqueológico do Vale do Coa.[carece de fontes]
Sítios de arte rupestre do Vale do Coa 
xsd:integer 1998 
xsd:integer 866 
xsd:integer 250 
Gravura rupestre - Penascosa - Vila Nova de Foz Coa 
Sítios de arte rupestre pré-histórica do Vale do Coa e de Siega Verde 
Portugal 
Gravura rupestre - Penascosa -Vila Nova de Foz Coa 
Os sítios de arte rupestre do Vale do Coa (AO 1945: Côa) situam-se ao longo das margens do rio Coa, sobretudo no município de Vila Nova de Foz Coa. Outros municípios abrangidos: Figueira de Castelo Rodrigo, Mêda e Pinhel. Forma uma rara concentração de arte rupestre composta por gravuras em pedra datadas do Paleolítico Superior (22 000–10 000 a.C.), constituindo o mais antigo registo de actividade humana de gravação existente no mundo.[carece de fontes] O património mundial enriqueceu-se em 1994 com o achado do maior complexo de arte rupestre paleolítico ao ar livre conhecido até hoje. Há 20 000 anos, o homem gravou milhares de desenhos representando cavalos e bovídeos nas rochas xistosas do vale do Coa, afluente do rio Douro, no nordeste de Portugal. Desde Agosto de 1996, o Parque Arqueológico do Vale do Coa organiza visitas a alguns núcleos de gravuras.[carece de fontes] No vale do Coa existem centenas, talvez milhares de gravuras do período Paleolítico. O seu estudo está a ser realizado por uma equipa de arqueólogos coordenada por Mário Varela Gomes e António Martinho Baptista e demorará anos, talvez décadas. As gravuras têm como suporte superfícies verticais de xisto, com exposição preferencial a nascente. A dimensão das gravuras oscila entre 15 cm e 180 cm, embora predominem as de 40–50 cm de extensão. As técnicas de gravação usadas são a picotagem e o abrasão, que por vezes coexistem, com o abrasão regularizando a picotagem. Os traços são largos, embora sejam por vezes acompanhados de uma grande quantidade de finos traços, que serviram de esboço ou complementavam os anteriores. Noutros casos, estes traços finos desenham formas dificilmente perceptíveis. Existem também gravuras preenchidas com traços múltiplos.[carece de fontes] As gravuras representam essencialmente figuras animalistas, embora se conheça uma representação humana e outra abstracta. Em Março de 1995, ainda não se conheciam representações de signos, característicos da arte rupestre paleolítica. Os animais mais representados são os cavalos e os bovídeos (auroques). Exclusivos em certos núcleos, eles podem também coexistir com caprídeos e cervídeos. Os animais aparecem isolados ou em associação, constituindo autênticos painéis. As representações de animais podem sobrepor-se mais ou menos densamente, como podem também estar bem individualizadas.[carece de fontes] Em 2007, cerca de 16 500 pessoas visitaram o Parque Arqueológico do Vale do Coa.[carece de fontes] 
xsd:nonNegativeInteger 37 
Sítios de arte rupestre pré-histórica do Vale do Coa e de Siega Verde 
xsd:integer 446016 
xsd:nonNegativeInteger 11798 
xsd:integer 44193003 

data from the linked data cloud