Reino nasrida de Granada

http://pt.dbpedia.org/resource/Reino_nasrida_de_Granada an entity of type: Thing

O Reino ou Emirado nasrida de Granada (em árabe: إمارة غرناطة, Imarat Gharnāṭah) foi uma unidade política que existiu na Península Ibérica entre 1238 e 1492. Incluía as actuais províncias espanholas de Granada, Málaga (província) e uma parte das províncias de Sevilha, Córdova e Jaén.Os primeiros contingentes de tropas merínidas estabelecem-se em Granada durante o reinado de Maomé II e ajudam a repelir os castelhanos. Ali permanecerem até à Batalha do Salado (1340), quando derrotados pelos cristãos se retiram definitivamente para o norte de África.
Reino nasrida de Granada 
yes 
Flag of Morocco 1147 1269.svg 
Banner of arms kingdom of Granada.svg 
Europa 
xsd:integer 1252 
xsd:integer 30000 
xsd:integer
monarquia 
Royal Standard of Nasrid Dynasty Kingdom of Grenade.svg 
Coat of Arms of the Emirate of Granada .svg 
Mapa do Reino de Granada com alguams datas de conquistas cristãs 
Reino de Granada.svg 
Reino nasrida de Granada 
Reino de Granada, Emirado de Granada 
Califado Almóada 
Espanha 
Península Ibérica 
Reino de Granada 
xsd:integer 1492 
xsd:integer 1238 
xsd:gYear 1238  1492 
Mapa do Reino de Granada com alguams datas de conquistas cristãs 
O Reino ou Emirado nasrida de Granada (em árabe: إمارة غرناطة, Imarat Gharnāṭah) foi uma unidade política que existiu na Península Ibérica entre 1238 e 1492. Incluía as actuais províncias espanholas de Granada, Málaga (província) e uma parte das províncias de Sevilha, Córdova e Jaén. As origens do reino de Granada encontram-se no desmembramento do Califado Almóada perante o avanço das tropas castelhanas. Em 1232 Maomé I (r. 1232–1273) declarou-se sultão e tornou-se o fundador da dinastia dos Nasridas, que governaria o reino de Granada. Este rei ordenou a construção do Palácio da Alhambra onde se instalou com a sua corte. Em 1246 Maomé I declarou-se vassalo do rei de Castela Fernando III. Através deste pacto de vassalagem o rei comprometia-se a ajudar os cristãos na conquista de Sevilha em troca da protecção castelhana. Apesar disso, os cristãos continuaram a exercer pressão militar sobre Granada, o que motivou Maomé a pedir ajuda aos Merínidas do norte de África. Os primeiros contingentes de tropas merínidas estabelecem-se em Granada durante o reinado de Maomé II e ajudam a repelir os castelhanos. Ali permanecerem até à Batalha do Salado (1340), quando derrotados pelos cristãos se retiram definitivamente para o norte de África. Para além de lutas internas (conspirações, rebeliões, guerra civil em 1427) e de falta de apoios do mundo árabe, Granada, apesar de conseguir suster alguns avanços de Castela e obter algumas tréguas, não conseguiu reestruturar-se internamente e começou a ceder aos ataques cristãos. Ainda desencadeou um contra-ataque entre 1433 e 1440, recuperando praças de Castela, mas a partir daqui a história de Granada foi de defesa contra Castela, bloqueios económicos, tréguas e devolução de cativos, até a "guerra de Granada", uma série de campanhas militares entre 1482 e 1492 que culminariam a 2 de Janeiro de 1492, com a rendição negociada mediante capitulação do rei Maomé XII, conhecido entre os espanhóis como Boabdil. No século XVI, apesar do embelezamento e da valorização cultural da cidade e da região pelos espanhóis, ainda havia, na minoria mourisca, sentimentos saudosistas do antigo reino nasrida, que se manifestaram em movimentos como os levantamentos nas Alpujarras, último foco de resistência mourisca. 
xsd:nonNegativeInteger 34 
Reino de Granada, Emirado de Granada 
Reino nasrida de Granada 
xsd:integer 231786 
xsd:nonNegativeInteger 4319 
xsd:integer 44350987 

data from the linked data cloud