Operação Chumbo Fundido

http://pt.dbpedia.org/resource/Operação_Chumbo_Fundido an entity of type: Thing

A Operação Chumbo Fundido (em hebraico: מבצע עופרת יצוקה; trans.: Mivtza Oferet Yetsuká, "chumbo fundido", também chamada, incorretamente, de "Operação Chumbo Grosso") é uma grande ofensiva militar das Forças de Defesa de Israel, realizada na Faixa de Gaza, partir do dia 27 de dezembro de 2008, sexto dia da festa judaica de Hanucá. Todavia, na maior parte do mundo árabe, a ação israelense é referida como Massacre de Gaza (em árabe: مجزرة غزة).
Operação Chumbo Fundido 
xsd:integer 22 
Avi Peled 
Eli Marom 
Eyal Eisenberg 
Gabi Ashkenazi 
Herzi Levy 
Ido Nehoshtan 
Ilan Malka 
Yigal Slovik 
xsd:integer 27 
xsd:integer 20000  176500 
xsd:integer 250 
Área do conflito 
Mapa da Faixa de Gaza indicando área urbana, campos de refugiados e pontos de passagem. 
história do Conflito israelo-palestino 
Israel e Hamas declaram unilateralmente tréguas 
Civis: 3 
Civis: 700-904 
Civis: 84 
Feridos: 326 
Feridos: 5.300 
Militantes e policiais: 400-650 
Outros: 10 
Soldados: 10 
Soldados: 242 
Total de mortes: 1.400 
Total de mortes: 13 
xsd:integer 22 
Brigadas dos Mártires de Al Aqsa 
Comitês de Resistência Popular 
Frente Popular para a Libertação da Palestina 
Jihad Islâmica da Palestina 
(Forças de Defesa de Israel) 
22pxHamas 
Brigadas dos Mártires de Al Aqsa 
Comitês de Resistência Popular 
Frente Popular para a Libertação da Palestina 
Jihad Islâmica da Palestina 
Israel e Hamas declaram unilateralmente tréguas 
20.000 (total) 
176.500 (10 mil homens participam da ofensiva, resguardados por tanques, artilharia, navios de guerra e aviões de combate 
Área do conflito 
Operação Chumbo Fundido 
A Operação Chumbo Fundido (em hebraico: מבצע עופרת יצוקה; trans.: Mivtza Oferet Yetsuká, "chumbo fundido", também chamada, incorretamente, de "Operação Chumbo Grosso") é uma grande ofensiva militar das Forças de Defesa de Israel, realizada na Faixa de Gaza, partir do dia 27 de dezembro de 2008, sexto dia da festa judaica de Hanucá. Todavia, na maior parte do mundo árabe, a ação israelense é referida como Massacre de Gaza (em árabe: مجزرة غزة). O ataque israelense ocorreu dias após o fim de um cessar-fogo, que vigorou por seis meses, conforme havia sido acordado entre o governo de Israel e representantes do Hamas, partido majoritário no Conselho Legislativo da Palestina e que controla a Faixa de Gaza. Como Israel não suspendeu o bloqueio à Faixa de Gaza e não cessou os ataques ao território palestino, militantes do Hamas anunciaram o encerramento oficial da trégua e passaram a lançar foguetes caseiros, tipo Qassam, em direção ao sul do território israelense. Dias depois do anúncio do fim do cessar-fogo, o próprio grupo palestino ofereceu uma proposta para renovar a trégua, condicionando-a ao fim do bloqueio israelense ao território palestino. Todavia, já em 27 de dezembro de 2008, as Forças de Defesa de Israel iniciaram a sua mais intensa operação militar contra um território palestino desde a Guerra dos Seis Dias (1967). Oficialmente, o objetivo da operação era interromper os ataques de foguetes do Hamas contra o território israelense. No primeiro dia da ofensiva militar, a força aérea israelense lançou, em um intervalo de quatro minutos, mais de cem bombas contra bases, escritórios e campos de treinamento do Hamas nas principais cidades da Faixa de Gaza, entre as quais Cidade de Gaza, Beit Hanoun, Khan Younis e Rafah. Também foram alvos de ataques a infraestrutura civil, incluindo casas, escolas e mesquitas; Israel disse que destes locais são disparados muitos dos foguetes palestinos ou servem para esconder munição, e portanto não seriam alvos civis. A marinha israelense também reforçou o bloqueio e bombardeou alvos na Faixa de Gaza, o que resultou em um incidente com o barco de uma organização pacifista, que trazia ajuda médica para a população de Gaza. Militantes do Hamas intensificaram os ataques de foguetes e morteiros em direção ao sul de Israel, atingindo cidades como Beersheba e Ashdod. Na noite de 3 de janeiro de 2009, começou a ofensiva por terra, com tropas e tanques israelenses entrando no território palestino. Em 17 de janeiro, o primeiro-ministro israelense Ehud Olmert anunciou uma trégua unilateral, a vigorar a partir da madrugada do dia seguinte. O Hamas também anunciou um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza. O representante do grupo, Ayman Taha, afirmou que a trégua valeria por uma semana, para que os israelenses pudessem retirar suas tropas da região. O Exército de Israel declarou que retiraria suas tropas da Faixa de Gaza até a posse de Barack Obama na presidência dos Estados Unidos, no dia 20 de janeiro. Em 21 de janeiro, Israel completou a retirada de suas tropas da Faixa de Gaza. Em 1º de junho uma comissão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, chefiada pelo juiz sul-africano Richard Goldstone, chegou à Faixa de Gaza, para investigar possíveis violações dos direitos humanos durante a ofensiva israelense. Em 15 de setembro de 2009, a comissão apresentou seu relatório, concluindo que Israel "cometeu crimes de guerra e, possivelmente, contra a humanidade", e que "o plano visava, pelo menos em parte, a população de Gaza como um todo." O mesmo relatório reconheceu que o lançamento de foguetes pelos insurgentes palestinos também configura crime de guerra. Segundo a ONG israelense de direitos humanos B'Tselem, a Operação Chumbo Fundido resultou na morte de 1.387 palestinos, mais da metade deles civis. 773 deles não participaram nos combates, incluindo 320 jovens ou crianças (252 com menos de 16 anos) e 111 mulheres. Do lado de Israel, houve 13 mortos, sendo três deles por "fogo amigo". 
xsd:nonNegativeInteger 576 
Operação Chumbo Fundido 
xsd:integer 2080156 
xsd:nonNegativeInteger 118321 
xsd:integer 44584114 

data from the linked data cloud