O Nascimento de uma Nação

http://pt.dbpedia.org/resource/O_Nascimento_de_uma_Nação an entity of type: Thing

O Nascimento de uma Nação (em inglês: The Birth of a Nation) é um filme mudo estadunidense de 1915 coescrito, coproduzido e dirigido por D. W. Griffith, baseado no romance e na peça The Clansman, ambas de Thomas Dixon, Jr. Lançado em 8 de fevereiro de 1915, o filme era originalmente apresentado em duas partes, separadas por um intervalo.O filme e o diretor Griffith foram muito elogiados pelo cineasta russo Sergei Eisenstein no livro "A Forma do Filme", no capítulo "Dickens, Griffith e nós", no qual compara a técnica de Griffith à técnica do escritor Charles Dickens.
O Nascimento de uma Nação 
xsd:integer 1915 
P&B 
xsd:integer 190 
Birth-of-a-nation-poster-color.jpg 
Cartaz original do filme. 
xsd:integer 240 
O Nascimento de uma Nação 
D. W. Griffith 
Frank E. Woods 
Thomas Dixon Jr. 
LF 
Mae Marsh 
Miriam Cooper 
xsd:integer 4972 
xsd:gYear 1915 
Cartaz original do filme. 
O Nascimento de uma Nação (em inglês: The Birth of a Nation) é um filme mudo estadunidense de 1915 coescrito, coproduzido e dirigido por D. W. Griffith, baseado no romance e na peça The Clansman, ambas de Thomas Dixon, Jr. Lançado em 8 de fevereiro de 1915, o filme era originalmente apresentado em duas partes, separadas por um intervalo. O filme relata as vidas de duas famílias durante a Guerra de Secessão (1861-1865) e a subsequente Reconstrução dos Estados Unidos (1865-1877): os Stonemans, nortistas pró-União, e os Camerons, sulistas pró-Confederação. O assassinato de Abraham Lincoln por John Wilkes Booth é dramatizado no filme. O filme e o diretor Griffith foram muito elogiados pelo cineasta russo Sergei Eisenstein no livro "A Forma do Filme", no capítulo "Dickens, Griffith e nós", no qual compara a técnica de Griffith à técnica do escritor Charles Dickens. Até o lançamento de The Big Parade em 1925, O nascimento de uma nação foi o filme mais lucrativo de todos os tempos, conseguindo mais de 10 milhões de dólares americanos, e, segundo depoimento da atriz Lilian Gish em depoimento à Voz da América, foram gastos, na produção do filme, apenas 61 mil dólares. O filme foi um enorme sucesso comercial, mas foi altamente criticado por retratar os afro-americanos (interpretados por atores brancos com as caras pintadas de negro) como ininteligentes e sexualmente agressivos em relação às mulheres brancas, e também por apresentar a Ku Klux Klan (cuja fundação original é dramatizada) como uma força heroica. Os protestos contra O Nascimento de uma Nação foram generalizados e o filme acabou sendo banido de várias cidades. A queixa de que se tratava de um filme racista foi tão grande que inspirou D. W. Griffith a produzir Intolerância no ano seguinte. O filme é creditado como um dos eventos responsáveis pelo ressurgimento da Ku Klux Klan em Stone Mountain, na Geórgia no mesmo ano em que foi lançado. O Nascimento de uma Nação foi usado pela Ku Klux Klan como ferramenta de recrutamento até meados da década de 1970. O Nascimento de uma Nação foi o primeiro filme a ser exibido na Casa Branca. O presidente Woodrow Wilson teria dito que o filme é "a história escrita em relâmpagos. E meu único lamento é que é tudo tão terrivelmente verdade". A veracidade da afirmação é, no entanto, contestada. É um dos filmes mais populares da era do cinema mudo. É bastante importante devido a suas inovações técnicas. Porém, ele glorifica a escravatura e justifica a segregação racial, em linha com o movimento intelectual denominado Lost Cause. Foi lançado em 1915 e é creditado por garantir o futuro dos longa-metragens e solidificar os símbolos da linguagem cinematográfica. O filme estreou em 8 de fevereiro de 1915 em Los Angeles, Califórnia, com o título de The Clansman, mas foi retitulado em sua estreia em Nova Iorque três meses mais tarde. O título original do filme, The Clansman foi mudado para O nascimento de uma nação para refletir a teoria de que, antes da Guerra Civil Americana, os Estados Unidos da América era uma grande coalizão de estados antagonistas entre si, e que a conquista dos estados do norte no sul finalmente enlaçou todos os estados sob a autoridade nacional. A controvérsia que o filme causou gira em torno da premissa de que a primeira Ku Klux Klan restauraria a ordem no sul pós-guerra, que estaria "ameaçado" por afro-americanos "incontroláveis" e seus aliados: abolicionistas, mulatos e republicanos do norte. O filme denuncia um suposto revanchismo dos negros libertos, após a guerra civil, que se aliam aos nortistas, os ianques, e se tornam hostis aos brancos sulistas, levando os brancos a reagirem contra este revanchismo criando a KKK. Outros filmes pró-sulistas como The Undefeated e E o Vento Levou também mostram negros associados a nortistas explorando os endividados fazendeiros do sul. O filme e o diretor Griffith foram muito elogiados pelo cineasta russo Sergei Eisenstein no livro "A Forma do Filme", no capítulo "Dickens, Griffith e nós", no qual compara a técnica de Griffith à técnica do escritor Charles Dickens. Apesar de lucrativo, e também popular entre os críticos e público brancos, o filme gerou protestos significantes em seu lançamento por afro-americanos. Estreias do filme eram acompanhadas de protestos da recém-fundada Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor. Griffith disse que ficou surpreso com as duras críticas. O nascimento de uma nação é associado ao segundo surgimento da Ku Klux Klan, que renasceu no ano de lançamento do filme, após um período de decadência. Até o lançamento de The Big Parade em 1925, O nascimento de uma nação foi o filme mais lucrativo de todos os tempos, conseguindo mais de 10 milhões de dólares americanos nas bilheterias do mundo todo (o que seria mais de 216 milhões de dólares dos dias atuais, segundo o Inflation Calculator do US Bureau of labor Statistics). Este filme ainda é estudado por historiadores de cinema e cultura, e em 1992 a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos renomeou-o "culturalmente significante" e selecionou-o para preservação no Registro Nacional dos Filmes. Atualmente, apenas a instituição Filmsite.org mantém o filme como um dos 100 maiores filmes feitos nos Estados Unidos. O "Guia Ilustrado Zahar Cinema", publicado pela Jorge Zahar Editor, no Brasil, em 2009, de autoria de Ronald Bergan, coloca "O Nascimento de Uma Nação" entre os 100 melhores filmes, e, em sua página 398, diz: "marco no desenvolvimento da história do cinema, é até hoje um dos filmes mais controversos. Às inovações anteriores de Griffith, cortes intercalados, closes, dissolução e fusões, aqui amadurecidos, juntou-se a integração de relato íntimo e sucessão de eventos históricos reconstruídos: o assassinato de Lincoln e grandes massas de soldados em batalha". 
xsd:nonNegativeInteger 177 
The Birth of a Nation 
O Nascimento de uma Nação 
The Birth of a Nation 
xsd:integer 273842 
xsd:nonNegativeInteger 23925 
xsd:integer 44639538 

data from the linked data cloud