Lua

http://pt.dbpedia.org/resource/Lua

A Lua é o único satélite natural da Terra e o quinto maior do Sistema Solar. É o maior satélite natural de um planeta no sistema solar em relação ao tamanho do seu corpo primário, tendo 27% do diâmetro e 60% da densidade da Terra, o que representa 181 da sua massa. Entre os satélites cuja densidade é conhecida, a Lua é o segundo mais denso, atrás de Io. Estima-se que a formação da Lua tenha ocorrido há cerca de 4,5 mil milhões* de anos, relativamente pouco tempo após a formação da Terra. Embora no passado tenham sido propostas várias hipóteses para a sua origem, a explicação mais consensual atualmente é a de que a Lua tenha sido formada a partir dos detritos de um impacto de proporções gigantescas entre a Terra e um outro corpo do tamanho de Marte.
Lua 
xsd:integer
xsd:integer 25 
xsd:date 2007-04-12 
center 
left 
Vista da direita 
Vista da esquerda 
xsd:integer 1981  2000  2007  2010 
Campo gravitacional da Lua 
O eclipse solar de 1999 
Aceleração gravitacional na superfície da Lua em m/s². À esquerda: face visível. À direita: face oculta. 
A Lua passando em frente ao Sol, a partir da espaçonave STEREO-Bt. 
Paul Weissman, Torrence Johnson 
xsd:integer
Moon 
horizontal 
Spring 
Academic Press 
Mind Melodies 
xsd:integer
Quatro vistas da Lua. Da esquerda para a direita: o lado oculto, vista da direita, lado visível e vista da esquerda. Observe que o lado voltado para a Terra apresenta muito mais regiões escuras que a face oculta. 
A partir da Terra, a Lua e o Sol parecem ter o mesmo tamanho. No entanto, a partir de um satélite na órbita da Terra, a Lua pode parecer menor que o Sol. 
Inglês 
Moon back-view .png 
Moon front-view .png 
Moon gravity acceleration map LGM2011.jpg 
Moon left-view .png 
Moon right-view .png 
PIA16587 - GRAIL's Gravity Field of the Moon.jpg 
STEREO-B solar eclipse.jpg 
Solar_eclipse_1999_4_NR.jpg 
xsd:integer 978 
xsd:integer 1431 
Jones 
Teague 
Londres 
Washington 
Nova Délhi 
Malti 
Gerald 
Lucy-Ann 
Peter H. 
Peter T. 
E.M. 
K. 
NASA 
Lunar and Planetary Institute 
Planetary Science Research Discoveries 
xsd:integer 120  181  381  391  992 
harv 
McFadden 
North 
Bansal 
Cadogan 
Wlasuk 
A modern astronomer's guide 
Chandrayaan Discovery Paves the Way 
our sister planet 
The Moon 
Apollo Lunar Surface Journal 
Encyclopedia of the Solar System 
Exploring the Moon 
Moon Articles 
Now We Set to Settle on Moon 
Observing the Moon 
The Project Apollo Archive 
http://www.apolloarchive.com/apollo_archive.html 
http://www.hq.nasa.gov/office/pao/History/alsj/ 
http://www.lpi.usra.edu/expmoon/ 
http://books.google.com.br/books?id=jC07AAAAIAAJ&dq=nasa+moon+structure+core+mantle&source=gbs_navlinks_s 
http://books.google.com.br/books?id=35sqq1HBS2sC&pg=PA20&dq=nasa+moon+structure+core+mantle&hl=en&sa=X&ei=cCd0UsD7L7an4AOM54HwBg&redir_esc=y#v=onepage&q=nasa%20moon%20structure%20core%20mantle&f=false 
xsd:integer 150  230  250  300 
Lua 
Lua 
xsd:integer 2006 
A Lua é o único satélite natural da Terra e o quinto maior do Sistema Solar. É o maior satélite natural de um planeta no sistema solar em relação ao tamanho do seu corpo primário, tendo 27% do diâmetro e 60% da densidade da Terra, o que representa 181 da sua massa. Entre os satélites cuja densidade é conhecida, a Lua é o segundo mais denso, atrás de Io. Estima-se que a formação da Lua tenha ocorrido há cerca de 4,5 mil milhões* de anos, relativamente pouco tempo após a formação da Terra. Embora no passado tenham sido propostas várias hipóteses para a sua origem, a explicação mais consensual atualmente é a de que a Lua tenha sido formada a partir dos detritos de um impacto de proporções gigantescas entre a Terra e um outro corpo do tamanho de Marte. A Lua encontra-se em rotação sincronizada com a Terra, mostrando sempre a mesma face visível, marcada por mares vulcânicos escuros entre montanhas cristalinas e proeminentes crateras de impacto. É o mais brilhante objeto no céu a seguir ao Sol, embora a sua superfície seja na realidade escura, com uma refletância pouco acima da do asfalto. A sua proeminência no céu e o seu ciclo regular de fases tornaram a Lua, desde a antiguidade, uma importante referência cultural na língua, em calendários, na arte e na mitologia. A influência da gravidade da Lua está na origem das marés oceânicas e ao aumento do dia sideral da Terra. A sua atual distância orbital, cerca de trinta vezes o diâmetro da Terra, faz com que no céu o satélite pareça ter o mesmo tamanho do Sol, permitindo-lhe cobri-lo por completo durante um eclipse solar total. A Lua é o único corpo celeste para além da Terra no qual os seres humanos já pisaram. O Programa Luna, da União Soviética, foi o primeiro a atingir a Lua com sondas não tripuladas em 1959. O Programa Apollo, do governo dos Estados Unidos, permitiu a realização das únicas missões tripuladas até hoje ao satélite, desde a primeira viagem tripulada em 1968 pela Apollo 8, até seis alunagens tripuladas entre 1969 e 1972, a primeira das quais a Apollo 11. Estas missões recolheram mais de 380 quilogramas de rochas lunares que têm sido usadas no estudo sobre a origem, história geológica e estrutura interna da Lua. Após a missão Apollo 17, em 1972, a Lua foi visitada apenas por naves espaciais não tripuladas, como pela última sonda do programa soviético Lunokhod. Desde 2004, Japão, China, Índia, Estados Unidos e a Agência Espacial Europeia enviaram sondas espaciais ao satélite natural. Estas naves espaciais têm contribuído para confirmar a descoberta de água gelada em crateras lunares permanentemente escuras nos pólos e vinculada ao regolito lunar. Missões tripuladas futuras para a Lua foram planejadas, através de esforços de governos e do financiamento privado. A Lua permanece, conforme acordado no Tratado do Espaço Exterior, livre para todas as nações que queiram explorar o satélite para fins pacíficos. 
xsd:nonNegativeInteger 447 
xsd:integer 1123 
xsd:nonNegativeInteger 119478 
xsd:integer 44980523 

data from the linked data cloud