Júlio Dantas

http://pt.dbpedia.org/resource/Júlio_Dantas an entity of type: Thing

Júlio Dantas (Lagos, 19 de Maio de 1876 — Lisboa, 25 de maio de 1962 (86 anos)) foi um escritor, médico, político, e diplomata, que se distinguiu como um dos mais conhecidos intelectuais portugueses das primeiras décadas do século XX. Na sua actividade intelectual foi um polígrafo, cultivando os mais variados géneros literários, da poesia ao romance e ao jornalismo, mas foi como dramaturgo que ficou mais conhecido, em particular pela sua peça A Ceia dos Cardeais (1902), uma das mais populares produções teatrais portuguesas de sempre. Na política foi deputado, Ministro da Instrução Pública e Ministro dos Negócios Estrangeiros (1921-1922 e 1923), terminando a sua carreira pública como embaixador de Portugal no Brasil (1941-1949). Considerado retrógrado por alguns intelectuais coevos, como f
Júlio Dantas 
Romancista, poeta, dramaturgo 
Júlio Dantas.jpg 
Lisboa, 
Lagos, Portugal 
Júlio Dantas 
A Severa 
Médico, escritor professor e antigo aluno do Colégio Militar 
Portugal 
Júlio Dantas (Lagos, 19 de Maio de 1876 — Lisboa, 25 de maio de 1962 (86 anos)) foi um escritor, médico, político, e diplomata, que se distinguiu como um dos mais conhecidos intelectuais portugueses das primeiras décadas do século XX. Na sua actividade intelectual foi um polígrafo, cultivando os mais variados géneros literários, da poesia ao romance e ao jornalismo, mas foi como dramaturgo que ficou mais conhecido, em particular pela sua peça A Ceia dos Cardeais (1902), uma das mais populares produções teatrais portuguesas de sempre. Na política foi deputado, Ministro da Instrução Pública e Ministro dos Negócios Estrangeiros (1921-1922 e 1923), terminando a sua carreira pública como embaixador de Portugal no Brasil (1941-1949). Considerado retrógrado por alguns intelectuais coevos, como foi o caso de Almada Negreiros, que escreveu o Manifesto Anti-Dantas, muito polémico, conseguiu granjear durante a vida grande prestígio social e literário, prestígio que decaiu após a sua morte. Foi eleito sócio da Academia de Ciências de Lisboa (1908), instituição a que presidiu a partir de 1922. 
xsd:nonNegativeInteger 152 
xsd:integer 324343 
xsd:nonNegativeInteger 19674 
xsd:integer 44733277 

data from the linked data cloud