História da Dinastia Han

http://pt.dbpedia.org/resource/História_da_Dinastia_Han

A Dinastia Han (206 AEC - 220 EC), fundada pelo camponês e líder rebelde Liu Bang (conhecido pelo nome de templo como Imperador Gaozu), foi a segunda dinastia imperial da China. Esta seguiu-se à Dinastia Qin (221 - 206 aC), que unificou os Reinos Combatentes. Interrompida por um curto período pela Dinastia Xin (9 - 23 EC) de Wang Mang, a Dinastia Han é dividida em dois períodos: o Han do Oeste (206 AEC - 9 EC) e o Han do Leste (25 - 220 EC). Estas denominações derivam das posições das capitais Chang'an e Luoyang, respectivamente. A terceira e última capital da dinastia foi Xuchang, quando a corte imperial se transferiu em 196 EC, durante um período de instabilidade política e de guerra civil.
História da Dinastia Han 
A Dinastia Han (206 AEC - 220 EC), fundada pelo camponês e líder rebelde Liu Bang (conhecido pelo nome de templo como Imperador Gaozu), foi a segunda dinastia imperial da China. Esta seguiu-se à Dinastia Qin (221 - 206 aC), que unificou os Reinos Combatentes. Interrompida por um curto período pela Dinastia Xin (9 - 23 EC) de Wang Mang, a Dinastia Han é dividida em dois períodos: o Han do Oeste (206 AEC - 9 EC) e o Han do Leste (25 - 220 EC). Estas denominações derivam das posições das capitais Chang'an e Luoyang, respectivamente. A terceira e última capital da dinastia foi Xuchang, quando a corte imperial se transferiu em 196 EC, durante um período de instabilidade política e de guerra civil. A Dinastia Han governou numa época de consolidação cultural chinesa, experimentação política, relativa maturidade e prosperidade económica e grandes avanços tecnológicos. Houve uma expansão e exploração territorial sem precedentes marcada por conflitos entre povos de etnia não chinesa, especialmente pelos nómadas Xiongnu da Estepe da Eurásia. Inicialmente, os imperadores da dinastia Han viram-se forçados a reconhecer a igual supremacia dos rivais Chanyu do povo Xiongnu, mas que na realidade, os Han eram um parceiro inferior na real e tributária aliança matrimonial, conhecida por Heqin. Este acordo foi quebrado quando o imperador Wu de Han (r. 141-87 AEC), protagonizou uma série de campanhas militares que, por fim, causaram a queda da unificação Xiongnu e redefiniram as fronteiras da China. O reino de Han foi alargado, ocupando o Corredor de Hexi da atual província de Kansu, a Bacia do Tarim da atual Xinjiang, as atuais províncias de Yunnan e Hainan, o atual norte do Vietname, atual Coreia do Norte e o sul da Mongólia Exterior. A corte Han estabeleceu relações comerciais e tributárias com governantes tão distantes quanto os do Império Arsácida, para cuja corte em Ctesifonte, na Mesopotâmia, os monarcas Han enviaram altos funcionários. O budismo foi pela primeira vez introduzido na China durante da Dinastia Han, o qual foi difundido por missionários do Império Parta e do Império Cuchana da Índia do Norte e Ásia Central. Desde o início, a corte imperial Han encontrava-se atemorizada por traições e revoltas dos reinos subordinados, tendo, por fim, acabado por ser governada apenas pelos membros da família real Liu. No início, a parte oriental do império era administrada indiretamente através dos grandes reinos semi-autónomos, que asseguraram lealdade e uma parcela das suas receitas fiscais aos imperadores Han, estes que por sua vez governavam directamente a parte ocidental do império a partir de Chang'an. A corte foi progressivamente introduzindo medidas para reduzir a extensão e poder desses reinos, até que uma reforma a meio do século II AEC, revogou o seu governo semi-autónomo e robusteceu as cortes do rei com funcionários do governo central. No entanto, muito mais volátil e preocupante para a dinastia foi o crescente poder tanto dos clãs consortes (da imperatriz) como dos eunucos do palácio. Em 92 EC, os eunucos entrincheiraram-se pela primeira vez na história de sucessão de imperadores, causando uma série de crises políticas que culminaram na sua queda e destruição em 189 EC, nos palácios de Luoyang. Este evento desencadeou uma era de guerra civil, à medida que o país se dividia pelos senhores da guerra e dirigentes regionais que disputavam o poder. Finalmente, em 220 EC, o filho de um chanceler imperial e rei, reconheceu a renúncia do último imperador Han, que se considera ter perdido o mandato do céu de acordo com sistema cosmológico de Dong Zhongshu (179—104 AEC) que interrelaciona o destino do governo imperial com o Céu e o mundo natural. Após a Dinastia Han, a China encontrava-se dividida em três reinos — Cao Wei, Shu Han e Wu Oriental, os quais foram consolidados num único império da Dinastia Jin (265–420 EC). 
xsd:nonNegativeInteger 111 
xsd:integer 4300065 
xsd:nonNegativeInteger 20300 
xsd:integer 44670005 

data from the linked data cloud