Guerra do Uruguai

http://pt.dbpedia.org/resource/Guerra_do_Uruguai an entity of type: Thing

A Guerra do Uruguai, também referida como Guerra contra Aguirre, ocorreu de 10 de agosto de 1864 até 20 de fevereiro de 1865 e foi travada entre o governante Partido Blanco do Uruguai e uma aliança que consistia no Império do Brasil e o Partido Colorado, secretamente apoiado pela Argentina. Desde a sua independência, o Uruguai tinha sido devastado por lutas interminantes entre as facções colorada e branca, cada uma tentando conquistar e manter o poder. O líder colorado Venancio Flores lançou a Cruzada Libertadora em 1863, uma insurreição que visava derrubar Bernardo Berro, que presidia um governo de coalizão fusionista Colorado–Blanco. Flores foi ajudado pela Argentina, cujo presidente Bartolomé Mitre lhe forneceu suprimentos, voluntários argentinos e transporte fluvial para as tropas.
Guerra do Uruguai 
xsd:integer 1906  1907  1915  1933  1935  1937  1956  1960  1975  1985  1987  1996  2002  2004  2006  2007  2008  2009 
Augusto Tasso Fragoso 
Robert Bontine Cunninghame Graham 
Hernâni Donato 
Gustavo Barroso 
Leslie Bethell 
Osório, Fernando Luís 
Whigham, Thomas L. 
xsd:integer 23 
Companhia Editora Nacional 
Companhia das Letras 
Imprensa Nacional 
Pradense 
Biblioteca do Exército 
Biblioteca do Exército Editora 
Cambridge University Press 
Greenwood Press 
L&PM 
Scarecrow Press 
Stanford University Press 
University of Nebraska Press 
University of North Carolina Press 
Editora AGE Ltda 
HUCITEC 
Editora Ibrasa 
Appleton-Century-Crofts 
Cátedra 
Foundry Books 
M. Orosco & C 
Thomson-Shore 
Tipografia do Diário Popular 
William Heinemann 
xsd:integer
xsd:integer 250 
Siege of Paysandu 05.jpg 
xsd:integer 315 
xsd:integer
xsd:integer
xsd:integer 85 
xsd:integer 978 
xsd:decimal 8570113528 
xsd:decimal 8574971324 
A fortaleza da cidade de Paysandú após o cerco em 1865. 
Londres 
Nottingham 
Porto Alegre 
Rio de Janeiro 
São Paulo 
Cambridge 
Pelotas 
Nova Iorque 
São Paulo, SP 
Uruguai e Império do Brasil 
Westport, Connecticut 
Stanford, Califórnia 
Chapel Hill, Carolina do Norte 
Dexter, Michigan 
Lincoln, Nebrasca 
New Brunswick, Nova Jérsei 
inglês 
português 
Augusto 
Prado 
Chris 
Guerra do Uruguai 
Philip 
Leslie 
Gustavo 
Louis 
Hernâni 
Dana Gardner 
José Murilo de 
Tau 
Hendrik 
Jeffrey D. 
Alfredo Pretextato Maciel da 
Joaquim Luís 
José Bernardino 
José Fernando de 
Luís Flodoardo 
Mary Wilhelmine 
Robert Bontine Cunninghame 
Terry D. 
Thomas L. 
Wilma Peres 
harv 
Vitória brasileira-colorada 
Barroso 
Maia 
Osório 
Carvalho 
Silva 
Tasso Fragoso 
Donato 
Graham 
Williams 
Raine 
Schneider 
Whigham 
Hooker 
Costa 
Bethell 
Munro 
Golin 
Needell 
Bormann 
Kraay 
Leuchars 
Maya Pedrosa 
Silva Pinto 
Paraguay 
The Latin American Republics: A History 
The Cambridge History of Latin America 
A Fronteira 
The Party of Order: the Conservatives, the State, and Slavery in the Brazilian Monarchy, 1831–1871 
Dom Pedro the Magnanimous, Second Emperor of Brazil 
A Campanha do Uruguay 
A Guerra da Tríplice Aliança Contra o Paraguai 
D. Pedro II: Ser ou Não Ser 
Dicionário das Batalhas Brasileiras 
História Militar do Brasil 
História do General Osório 
Portrait of a Dictator 
The Paraguayan War 
The Paraguayan War: Causes and Early Conduct 
A catástrofe dos erros: razões e emoções na guerra contra o Paraguai 
A Marinha de Guerra do Brasil na Colônia e no Império 
A Batalha de Uruguaiana: episódio da Guerra da Tríplice Aliança 
Os Generais do Exército Brasileiro de 1822 a 1889: Traços Biográficos 
História da Guerra entre a Tríplice Aliança e o Paraguai 
A Espada de Dâmocles: o Exército, a Guerra do Paraguai e a Crise do Império 
To the Bitter End: Paraguay and the War of the Triple Alliance 
I Die with My Country: Perspectives on the Paraguayan War, 1864–1870 
xsd:integer
xsd:integer 23 
23px|borderImpério do Brasil 
23px|borderPartido Colorado 
23px|borderPartido Federal 
23px|borderPartido Nacional 
23px|borderPartido Unitário 
23px|borderUruguai 
Vitória brasileira-colorada 
A Guerra do Uruguai, também referida como Guerra contra Aguirre, ocorreu de 10 de agosto de 1864 até 20 de fevereiro de 1865 e foi travada entre o governante Partido Blanco do Uruguai e uma aliança que consistia no Império do Brasil e o Partido Colorado, secretamente apoiado pela Argentina. Desde a sua independência, o Uruguai tinha sido devastado por lutas interminantes entre as facções colorada e branca, cada uma tentando conquistar e manter o poder. O líder colorado Venancio Flores lançou a Cruzada Libertadora em 1863, uma insurreição que visava derrubar Bernardo Berro, que presidia um governo de coalizão fusionista Colorado–Blanco. Flores foi ajudado pela Argentina, cujo presidente Bartolomé Mitre lhe forneceu suprimentos, voluntários argentinos e transporte fluvial para as tropas. O movimento fusionista ruiu quando os colorados abandonaram a coalizão para se juntar aos soldados de Flores. A guerra civil uruguaia rapidamente se transformou, tornando-se uma crise de âmbito internacional que desestabilizou toda a região. Mesmo antes da rebelião colorada, os blancos dentro do fusionismo buscaram uma aliança com o ditador paraguaio Francisco Solano López. O governo blanco agora exclusivamente de Berro também recebeu apoio de federalistas argentinos, que se opunham a Mitre e seus unitários. A situação deteriorou-se quando o Império do Brasil foi arrastado para o conflito. Quase um quinto da população uruguaia era considerada brasileira. Alguns se juntaram à rebelião de Flores, estimulados pelo descontentamento com as políticas governamentais dos blancos, que consideravam prejudiciais aos seus interesses. O Brasil finalmente decidiu intervir no caso uruguaio para restabelecer a segurança das suas fronteiras no sul e sua ascendência regional. Em abril de 1864, o Brasil enviou o ministro plenipotenciário José Antônio Saraiva para negociar com Atanasio Aguirre, que tinha sucedido Berro no Uruguai. Saraiva fez uma primeira tentativa de resolver a diferença entre blancos e colorados. Confrontado com a intransigência de Aguirre em relação às demandas de Flores, o diplomata brasileiro abandonou o esforço e ficou do lado dos colorados. Em 10 de agosto de 1864, depois que um ultimato brasileiro foi recusado, Saraiva declarou que os militares do Brasil começariam represálias severas. O Brasil se recusou a reconhecer um estado formal de guerra e, durante a maior parte de sua duração, o conflito armado uruguaio–brasileiro foi uma guerra não declarada. Em uma ofensiva combinada contra redutos dos blancos, as tropas brasileiras–coloradas avançaram pelo território uruguaio, tomando uma cidade após a outra. Posteriormente, os blancos ficaram isolados em Montevidéu, a capital nacional. Diante de uma derrota certa, o governo blanco capitulou em 20 de fevereiro de 1865. A guerra de curta duração teria sido considerada um sucesso para os interesses brasileiros e argentinos. Porém a intervenção do Paraguai em apoio aos blancos (com ataques a províncias brasileiras e argentinas) provocou a longa e custosa Guerra do Paraguai. 
xsd:nonNegativeInteger 178 
xsd:integer 156679 
xsd:nonNegativeInteger 55999 
xsd:integer 44295477 

data from the linked data cloud