Guerra da independência do Brasil

http://pt.dbpedia.org/resource/Guerra_da_independência_do_Brasil an entity of type: Thing

A chamada Guerra da Independência estendeu-se de 1822 a 1825, no contexto do processo de Independência do Brasil, entre 1808 e 1825, quando esta foi formalmente reconhecida por Portugal e pelo Reino Unido. Em 29 de agosto de 1825 foi assinado o Tratado de Amizade e Aliança firmado entre Brasil e Portugal, quando enfim Portugal reconheceu a independência de sua ex-colônia. A Guerra da Independência do Brasil acabou por ser uma guerra civil Luso-Brasileira, já que Portugueses e Brasileiros combateram em ambos os lados.
Guerra da independência do Brasil 
John Pascoe Grenfell 
Thomas Cochrane 
borda|22px Barão de Laguna 
borda|22px Inácio Luís Madeira de Melo 
borda|22px José Joaquim de Lima e Silva 
borda|22px José Maria de Moura 
borda|22px João José da Cunha Fidié 
borda|22px Pedro Labatut 
borda|22px Álvaro da Costa 
xsd:integer 18 
(Paz firmada em 29 de agosto de 1825) 
xsd:integer
xsd:integer
xsd:integer
xsd:integer
xsd:integer
xsd:integer
xsd:integer 10 
xsd:integer 20 
xsd:integer 35 
xsd:integer 38 
xsd:integer 55 
xsd:integer 96 
Total: 
+18.006 
+28.000 
Em Pernambuco: +350 
Em Pernambuco: 2.000 
Na Bahia: 10.500 
Na Bahia: 14.000 
Na Cisplatina: 3.000 
Na Cisplatina: 4.000 
Navios em 1822: 
Navios em 1824: 
Navios: 
No Maranhão: 1.600 
No Maranhão: 8.000 
No Pará: +1.000 
No Pará: 1.556 
xsd:integer 300 
Sentido horário, de cima para a esquerda: As Cortes Portuguesas; Tropas Portuguesas no Brasil; Pedro I a bordo da fragata União; Pedro I declara a independência do Brasil; Pedro I sendo coroado Imperador do Brasil. 
Brasil e Uruguai 
Vitória do Brasil e unidade territorial do Império definida 
xsd:integer 22 
Mercenários britânicos 
22pxMercenários franceses 
borda|22pxImpério do Brasil 
Mercenários britânicos 
borda|22pxReino Unido de Portugal, Brasil e Algarves 
Vitória do Brasil e unidade territorial do Império definida 
Total: 
+18.006 
+28.000 
1 "Charrua" 
1 "Sumaca" ("Smak") 
1 barca 
1 escunas 
1 navio de linha 
10 corvetas 
1navio de linha 
2 fragatas 
20 pequenos navios 
2corvetas 
3 brigues 
35 outros pequenos navios 
38 navios 
4fragatas 
55 navios 
5brigues 
6escunas 
96 navios 
Em Pernambuco: +350 
EmPernambuco: 2.000 
Na Bahia: 10.500 
Na Cisplatina: 4.000 
NaBahia: 14.000 
NaCisplatina: 3.000 
Navios em1822: 
Navios em1824: 
Navios: 
No Maranhão: 1.600 
No Pará: 1.556 
NoMaranhão: 8.000 
NoPará: +1.000 
Sentido horário, de cima para a esquerda: As Cortes Portuguesas; Tropas Portuguesas no Brasil; Pedro I a bordo da fragata União; Pedro I declara a independência do Brasil; Pedro I sendo coroado Imperador do Brasil. 
Guerra da Independência do Brasil 
A chamada Guerra da Independência estendeu-se de 1822 a 1825, no contexto do processo de Independência do Brasil, entre 1808 e 1825, quando esta foi formalmente reconhecida por Portugal e pelo Reino Unido. Em 29 de agosto de 1825 foi assinado o Tratado de Amizade e Aliança firmado entre Brasil e Portugal, quando enfim Portugal reconheceu a independência de sua ex-colônia. A Guerra da Independência do Brasil acabou por ser uma guerra civil Luso-Brasileira, já que Portugueses e Brasileiros combateram em ambos os lados. O que inicialmente começou como uma rebelião antilusitana em Salvador em 18 de fevereiro de 1822, se transformou após a proclamação da independência, às margens do riacho Ipiranga a 7 de setembro de 1822, em lutas mais encarniçadas nas regiões onde, por razões estratégicas, se registrava maior concentração de tropas do Exército Português, a saber, nas então Províncias Cisplatina, da Bahia, do Piauí, do Maranhão e do Grão-Pará. Recorde-se que a maior parte da oficialidade era de origem portuguesa. Desse modo, o recém formado governo brasileiro (não reconhecido pelo governo português, que ainda considerava o Brasil parte integrante do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves) através de seu Ministro José Bonifácio de Andrada e Silva, adotou as providências para eliminar a resistência portuguesa. Para esse fim providenciou a compra de armas e navios, o recrutamento de tropas nacionais e o contrato de estrangeiros (mercenários), bem como medidas repressivas como o confisco de bens e a expulsão daqueles que não aceitassem a emancipação política do Brasil. No plano econômico, proibiu-se o comércio, e, no diplomático, autorizou-se a guerra de corso, contra Portugal. 
xsd:nonNegativeInteger 300 
Guerra da Independência do Brasil 
xsd:integer 301124 
xsd:nonNegativeInteger 33372 
xsd:integer 44975395 

data from the linked data cloud