Golpe de Estado na Guiné-Bissau em 2012

http://pt.dbpedia.org/resource/Golpe_de_Estado_na_Guiné-Bissau_em_2012

Em 12 de abril de 2012, na véspera do início da campanha para a segunda volta da eleição presidencial guineense, militares ocuparam a rádio nacional, a sede do PAIGC e atacaram com rockets, morteiros e granadas a residência do primeiro-ministro em fim de mandato Carlos Gomes Júnior. A rádio nacional e a Televisão Estatal deixaram de emitir ao serem tomadas pelos militares Revoltosos. Os acontecimentos deram-se entre as 19 e as 21 horas, hora local.O evento sucede ao conflito militar de 2010 e a uma tentativa de golpe de Estado falhada em 2011.
Golpe de Estado na Guiné-Bissau em 2012 
Em 12 de abril de 2012, na véspera do início da campanha para a segunda volta da eleição presidencial guineense, militares ocuparam a rádio nacional, a sede do PAIGC e atacaram com rockets, morteiros e granadas a residência do primeiro-ministro em fim de mandato Carlos Gomes Júnior. A rádio nacional e a Televisão Estatal deixaram de emitir ao serem tomadas pelos militares Revoltosos. Os acontecimentos deram-se entre as 19 e as 21 horas, hora local. O presidente da República interino, Raimundo Pereira, foi preso na sua residência por militares, tal como o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior. Desconhece-se o paradeiro de Adiato Djaló Nandigna, a primeira-ministra interina da Guiné-Bissau. O evento sucede ao conflito militar de 2010 e a uma tentativa de golpe de Estado falhada em 2011. O Exército da Guiné-Bissau atribuiu o golpe a um suposto acordo militar secreto entre os governos da Guiné-Bissau e Angola. O porta-voz do Comando Militar que tomou o poder na Guiné-Bissau no passado dia 12 disse hoje que qualquer força estrangeira enviada para o país seria considerada pelos militares uma força invasora «porque o país não está em guerra». Segundo o tenente-coronel Daba Na Walna, não se justifica o envio de uma força estrangeira «seja de interposição como de manutenção da paz» para a Guiné-Bissau porque «o país não se encontra em nenhuma guerra». O porta-voz do Comando Militar guineense falava numa conferência de imprensa para «responder às declarações do Ministro dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau e do senhor Georges Chicoti (chefe da diplomacia angolana)», na quinta-feira, na sede das Nações Unidas. Manuel Serifo Nhamadjo, designado presidente da República de transição na Guiné-Bissau após o golpe de Estado, anunciou que havia recusado esta nomeação, considerando que estava fora da legalidade. 
xsd:nonNegativeInteger 36 
xsd:integer 3615861 
xsd:nonNegativeInteger 6275 
xsd:integer 44193544 

data from the linked data cloud