Genocídio armênio

http://pt.dbpedia.org/resource/Genocídio_armênio

Genocídio Armênio (em arménio: Հայոց ցեղասպանություն; Hayots tseghaspanutyun), também conhecido como Holocausto Armênio, Massacre Armênio e, tradicionalmente, como Medz Yeghern (em armênio: Մեծ Եղեռն; "Grande Crime") foi extermínio sistemático do governo otomano de seus súditos armênios minoritários dentro de sua pátria histórica, que se encontra no território que constitui a atual República da Turquia. O número total de pessoas mortas como resultado do genocídio é estimado entre 800 mil e 1,5 milhão. O dia 24 de abril de 1915 é convencionalmente considerada a data de início dos massacres, quando as autoridades otomanas caçaram, prenderam e executaram cerca de 250 intelectuais e líderes comunitários armênios em Constantinopla.
Genocídio armênio 
right 
Massacre em cidades do Cáucaso, noticiado pelo jornal New York Times em 23 de fevereiro de 1915 
Rafael de Nogales Méndez , oficial venezuelano que serviu no exército otomano, escreveu um relato detalhado dos massacres em seu livro ''Cuatro años bajo la media luna' 
Refugiados armênios em Bitlis, 1916, durante o período da Administração da Armênia Ocidental 
Armênios escoltados por soldados otomanos marchando da cidade de Harput para um campo de prisioneiros, abril de 1915. 
xsd:integer 1915 
xsd:integer 600000 
Governo dos Jovens Turcos 
vertical 
Caucasusmassacres.JPG 
Rafael de Nogales Mendez.png 
Near east relief the armenian refugees in Bitlis-1916 lace.png 
Vítimas: 
Agressor: 
Contexto: 
Local: 
Número de vítimas: 
Período: 
Tipo de agressão: 
xsd:integer 220 
Genocídio armênio 
Genocídio Armênio (em arménio: Հայոց ցեղասպանություն; Hayots tseghaspanutyun), também conhecido como Holocausto Armênio, Massacre Armênio e, tradicionalmente, como Medz Yeghern (em armênio: Մեծ Եղեռն; "Grande Crime") foi extermínio sistemático do governo otomano de seus súditos armênios minoritários dentro de sua pátria histórica, que se encontra no território que constitui a atual República da Turquia. O número total de pessoas mortas como resultado do genocídio é estimado entre 800 mil e 1,5 milhão. O dia 24 de abril de 1915 é convencionalmente considerada a data de início dos massacres, quando as autoridades otomanas caçaram, prenderam e executaram cerca de 250 intelectuais e líderes comunitários armênios em Constantinopla. O genocídio foi realizada durante e após a Primeira Guerra Mundial e executado em duas fases: a matança da população masculina sãos através de massacres e sujeição de recrutas do exército para o trabalho forçado, seguida pela deportação de mulheres, crianças, idosos e enfermos em marchas da morte que levavam ao deserto sírio. Impulsionada por escoltas militares, os deportados foram privados de comida e água e submetido a roubos, estupros e massacres periódicos. Outros grupos étnicos nativos e cristãos, como os assírios e gregos otomanos, também foram igualmente perseguidos pelo governo otomano e seu tratamento é considerado por muitos historiadores como parte da mesma política genocida. A maioria das comunidades armênias que surgem após a diáspora deste povo por todo o mundo surgiu como um resultado direto do genocídio. Raphael Lemkin foi expressamente movido pela aniquilação dos armênios ao cunhar a palavra genocídio em 1943 e definir extermínios sistemáticos e premeditados dentro dos parâmetros legais. O genocídio armênio é reconhecido como tendo sido um dos primeiros genocídios modernos, porque os estudiosos apontam para a forma organizada em que os assassinatos foram realizados a fim de eliminar o povo armênio, e é o segundo caso mais estudado de genocídio após o Holocausto, promovido pela Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Atualmente este conceito é contestado por autores da segunda metade do século XX, pois o Império nunca teve uma concepção étnica ou colonial de Estado antes do genocídio, diferente do colonialismo europeu. A Turquia, o Estado sucessor do Império Otomano, nega o termo "genocídio" como uma definição exata para os assassinatos em massa de armênios, que começou sob o domínio otomano em 1915. Nos últimos anos, o governo turco têm enfrentado seguidas reivindicações para reconhecer o episódio como um genocídio. Até o momento, 29 países reconheceram oficialmente os assassinatos em massa como um genocídio, uma visão que é compartilhada pela maioria dos estudiosos e historiadores deste período histórico. 
xsd:nonNegativeInteger 425 
xsd:integer 198634 
xsd:nonNegativeInteger 74464 
xsd:integer 44982930 

data from the linked data cloud