Expressionismo

http://pt.dbpedia.org/resource/Expressionismo

O expressionismo foi um movimento artístico e cultural de vanguarda surgido na Alemanha no início do século XX, transversal aos campos artísticos da arquitetura, artes plásticas, literatura, música, cinema, teatro, dança e fotografia. Manifestou-se inicialmente através da pintura, coincidindo com o aparecimento do fauvismo francês, o que tornaria ambos os movimentos artísticos os primeiros representantes das chamadas "vanguardas históricas". Mais do que meramente um estilo com características em comum, o Expressionismo é sinónimo de um amplo movimento heterogéneo, de uma atitude e de uma nova forma de entender a arte, que aglutinou diversos artistas de várias tendências, formações e níveis intelectuais. O movimento surge como uma reacção ao positivismo associado aos movimentos impressionis
Expressionismo 
xsd:integer 1974  1983  1985  1986  1990  1991  1993  1996  1997  2000  2002  2005  2006  2007  2008 
AA.VV. 
ANZ, Thomas 
ARNALDO, Javier 
BOGNER, Ralf Georg 
BOZAL, Valeriano 
CHILVERS, Ian 
CREPALDI, Gabriele 
DE MICHELI, Mario 
DEMPSEY, Amy 
DUBE, Wolf-Dieter 
EISNER, Lotte H. 
ELGER, Dietmar 
ELSAESSER, Thomas 
GARCÍA FELGUERA, María de los Santos 
HAMILTON, George Heard 
KRACAUER, Siegfried 
MALDONADO ALEMÁN, Manuel 
RAMÍREZ DOMÍNGUEZ, Juan Antonio 
RODRÍGUEZ RUIZ, Delfín 
SALVETTI, Guido 
SAPPER, Theodor 
SOUGEZ, Marie-Loup 
SÁNCHEZ BIOSCA, Vicente 
Alianza Editorial, Barcelona 
Anaya, Madrid 
Blume, Barcelona 
Colección Metzler, Stuttgart 
Cátedra, Madrid 
Destino, Barcelona 
Electa, Madrid 
Europaverlag Wissenschaft, Viena 
Historia 16, Madrid 
J.B. Metzlersche Verlagsbuchhandlung, Stuttgart 
Larousse Planeta, Barcelona 
Museu Nacional d'Art de Catalunya, Barcelona 
Paidos, Barcelona 
Salvat, Barcelona 
Síntesis, Madrid 
Taschen, Köln 
Turner, Madrid 
Verdoux, Madrid 
Visor, Madrid 
xsd:integer 84  978 
Alle Glocken dieser Erde. Expressionistische Dichtung aus dem Donauraum 
Brücke. El naixement de l'expressionisme alemany 
Diccionario de arte 
Diccionario de pintura 
Einführung in die Literatur des Expressionismus 
Estilos, escuelas y movimientos 
Expresionismo 
Expresionistas 
Historia General del Cinema, vol. V, Europa y Asia 
Historia del Arte 
Historia general de la fotografía 
La arquitectura del siglo XX 
La pantalla demoníaca 
Las vanguardias artísticas del siglo XX 
Las vanguardias históricas 
Literatur des Expressionismus 
Los Expresionistas 
Los orígenes del arte del siglo XX 
Pintura y escultura en Europa, 1880-1940 
Vanguardias artísticas I 
Vanguardias artísticas II 
Historia de las ideas estéticas y de las teorías artísticas contemporáneas 
Historia de la Música, 10 : El siglo XX, 1ª parte 
De Caligari a Hitler. Una historia psicológica del cinema alemán 
El Expresionismo y las vanguardias en la literatura alemana 
Sombras de Weimar. Contribución a la historia del cinema alemán 1918-1933 
O expressionismo foi um movimento artístico e cultural de vanguarda surgido na Alemanha no início do século XX, transversal aos campos artísticos da arquitetura, artes plásticas, literatura, música, cinema, teatro, dança e fotografia. Manifestou-se inicialmente através da pintura, coincidindo com o aparecimento do fauvismo francês, o que tornaria ambos os movimentos artísticos os primeiros representantes das chamadas "vanguardas históricas". Mais do que meramente um estilo com características em comum, o Expressionismo é sinónimo de um amplo movimento heterogéneo, de uma atitude e de uma nova forma de entender a arte, que aglutinou diversos artistas de várias tendências, formações e níveis intelectuais. O movimento surge como uma reacção ao positivismo associado aos movimentos impressionista e naturalista, propondo uma arte pessoal e intuitiva, onde predominasse a visão interior do artista – a "expressão" – em oposição à mera observação da realidade – a "impressão". O expressionismo compreende a deformação da realidade para expressar de forma subjectiva a natureza e o ser humano, dando primazia à expressão de sentimentos em relação à simples descrição objetiva da realidade. Entendido desta forma, o expressionismo não tem uma época ou um espaço geográfico definidos, e pode mesmo classificar-se como expressionista a obra de autores tão diversos como o holandês Piet Zwiers, Matthias Grünewald, Pieter Brueghel, o Velho, El Greco ou Francisco de Goya. Alguns historiadores, de forma a estabelecer uma distinção entre termos, preferem o uso de "expressionismo" – em minúsculas – como termo genérico, e "Expressionismo" – com inicial maiúscula – para o movimento alemão. Através de uma paleta cromática vincada e agressiva e do recurso às temáticas da solidão e da miséria, o expressionismo é um reflexo da angústia e ansiedade que dominavam os círculos artísticos e intelectuais da Alemanha durante os anos anteriores à Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e que se prolongaria até ao fim do período entre-guerras (1918-1939). Angústia que suscitou um desejo veemente de transformar a vida, de alargar as dimensões da imaginação e de renovar a linguagem artística. O expressionismo defendia a liberdade individual, o primado da subjectividade, o irracionalismo, o arrebatamento e os temas proibidos – o excitante, diabólico, sexual, fantástico ou perverso. Pretendeu ser o reflexo de uma visão subjectiva e emocional da realidade, materializada através da expressividade dos meios plásticos, que adquiriram uma dimensão metafísica, abrindo os sentidos ao mundo interior. Muitas vezes visto como genuína expressão da alma alemã, o seu carácter existencialista, o seu anseio metafísico e a sua visão trágica do ser humano são características inerentes a uma concepção existencial aberta ao mundo espiritual e às questões da vida e da morte. Fruto das peculiares circunstâncias históricas em que surge, o expressionismo veio revelar o lado pessimista da vida e a angústia existencialista do indivíduo, que na sociedade moderna, industrializada, se vê alienado e isolado. O expressionismo não foi um movimento homogéneo, coexistindo vários polos artísticos com uma grande diversidade estilística, como a corrente modernista (Munch), fauvista (Rouault), cubista e futurista (Die Brücke), surrealista (Klee), ou a abstracta (Kandinsky). Embora o seu maior polo de difusão se encontrasse na Alemanha, o expressionismo manifestou-se também por meio de artistas provenientes de outras partes da Europa como Modigliani, Chagall, Soutine ou Permeke, e no continente americano como, por exemplo, os mexicanos Orozco, Rivera, Siqueiros e o brasileiro Portinari. Na Alemanha existiram dois grupos dominantes: Die Brücke (fundado em 1905), e Der Blaue Reiter (fundado em 1911), embora tenha havido artistas independentes e não afiliados com nenhum dos grupos. Depois da Primeira Guerra Mundial surge a Nova Objetividade que, embora tenha sido uma reação ao individualismo expressionista e procurasse a função social na arte, a sua distorção das formas e o seu intenso colorido fazem do grupo um herdeiro directo da primeira geração expressionista. 
xsd:nonNegativeInteger 1132 
xsd:integer 22251 
xsd:nonNegativeInteger 167872 
xsd:integer 44977530 

data from the linked data cloud