Escultura do Brasil

http://pt.dbpedia.org/resource/Escultura_do_Brasil

A escultura no Brasil acompanhou as correntes estéticas que animaram o desenvolvimento desta arte em outros países do ocidente, especialmente os europeus, de onde vieram as principais influências que fecundaram o solo artístico brasileiro. Ao longo dos últimos 500 anos de sua história, o Brasil testemunhou florescimentos particularmente ricos da escultura nos períodos Barroco, com um estilo geral unificado, e a partir do Modernismo, quando predomina a diversidade.
Escultura do Brasil 
left 
right 
Hélio Oiticica: Relevo 36, da série Relevos Espaciais, 1959-1960. Tate Liverpool. 
Victor Brecheret: Monumento às Bandeiras, 1921-1954. 
'Cristo ressurrecto, século XVIII, escola baiana. 
Galileo Emendabili: Alegoria da Pintura no Monumento a Ramos de Azevedo. 
Alfredo Ceschiatti: Justiça, 1961. Brasília. 
Cildo Meireles: Inmensa, 1982. Centro de Arte Contemporânea Inhotim. 
Lasar Segall: Detalhe do grupo Três Jovens, 1939. 
Victor Brecheret: Graça, c. 1942. 
Ex-votos em forma de cabeça no Santuário de Aparecida. 
A Praça dos Três Poderes em Brasilia. Em primeiro plano o monumento "Os Candangos" de Bruno Giorgi, com o Palácio do Planalto ao fundo. 
Estátua de roca do Senhor dos Passos, século XVIII-XIX. Capela Nosso Senhor dos Passos, Porto Alegre. 
Lelio Coluccini: A Caçadora, 1944. Parque do Ibirapuera. 
Interior da Basílica de Nossa Senhora do Carmo, Recife. 
Benvenuto Conte: Figura do grupo da Lamentação do Senhor Morto, Capela do Santo Sepulcro. 
São Pedro Papa, século XVIII, escola portuguesa. Museu de Arte Sacra de São Paulo. 
vertical 
Monumento às Bandeiras 01.jpg 
A Justica Alfredo Ceschiatti Brasilia Brasil.jpg 
Exvotosaparecida.JPG 
Inmensa Brumadinho.jpg 
Lelio Coluccini - A Caçadora.JPG 
Monumento a Ramos de Azevedo - Pintura 02.JPG 
N-s-dos-passos-3.jpg 
Nossa-senhora-do-carmo4-altar-mor.jpg 
Os Candangos.jpg 
Santo sepulcro - caxias do sul.jpg 
Spatial Relief REL 036, Tate Liverpool.jpg 
São Pedro Papa, séc. XVIII.jpg 
Terceiros---cristo.jpg 
Tres Jovens São Paulo 03.jpg 
Victor Brecheret - Graça 01.JPG 
xsd:integer 140  200 
A escultura no Brasil acompanhou as correntes estéticas que animaram o desenvolvimento desta arte em outros países do ocidente, especialmente os europeus, de onde vieram as principais influências que fecundaram o solo artístico brasileiro. Ao longo dos últimos 500 anos de sua história, o Brasil testemunhou florescimentos particularmente ricos da escultura nos períodos Barroco, com um estilo geral unificado, e a partir do Modernismo, quando predomina a diversidade. A arte da escultura se firmou no país primeiro pela força da religião, manifestando-se quase sempre no terreno da estatuária devocional, sendo parte importante no culto Católico. Depois de um início naturalmente tímido e amador, ao longo dos difíceis anos de conquista e povoamento do território pelos portugueses, uma época de lutas sangrentas e asperezas de todas as ordens, quando o Brasil iniciou uma fase de consolidação socioeconômica e relativo avanço civilizatório, entre fins do século XVII e o início do século XVIII, a escultura brasileira viria a ganhar inúmeros adeptos, incluindo muitos mestres altamente qualificados, expressando-se em um estilo Barroco, então a corrente dominante na arte europeia, incluindo na lusa, sempre a grande referência. Paralelamente, desenvolveu-se com grande riqueza a escultura aplicada, na forma do entalhe decorativo em estruturas arquitetônicas, como a talha dourada das igrejas e os adornos em relevo em fontes públicas e fachadas, ou como elemento integrante de mobiliário e outros objetos utilitários. Este ciclo perdurou com crescente solidez estética e técnica e abundância produtiva até o início do século XIX, sempre baseado num sistema de produção corporativo, onde o anonimato e o trabalho coletivo e semi-artesanal eram a regra. Este quadro viria a mudar acompanhando uma série de mudanças sociais, administrativas e culturais na nação em vias de formação, mas ainda uma colônia. Dois marcos foram fundamentais neste processo de transição: a transferência da corte portuguesa para o Brasil, fugindo de Napoleão, situação que acabaria levando o Brasil à independência de Portugal, e a atuação da Missão Artística Francesa, que sintetizou a corrente neoclássica, a grande voga cultural na Europa neste período, e introduziu a metodologia acadêmica, o mais gabaritado padrão de ensino sistematizado e de nível superior praticado no Velho Mundo, ao organizar a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios. O impacto entre dois universos tão distintos foi trabalhoso, gerou muitas resistências, disputas e mesmo prejudicou a expansão da arte escultórica no país por quase toda a primeira metade do século XIX. Na maturidade de Dom Pedro II a antiga Escola Real, ora Academia Imperial de Belas Artes, passou a centralizar todos os avanços artísticos de um país que ansiava pela modernização e queria ter uma arte que o representasse dignamente no concerto das nações progressistas e liberais. Consolidava-se o sistema acadêmico, baseado na imitação dos mestres consagrados, e se iam incorporando novidades estéticas, como o Romantismo e o Realismo, ao estilo neoclássico dominante, gerando uma arte eclética. No entanto, a escultura sempre ficou em segundo plano, sendo ofuscada pela pintura, a "grande arte" da época, e por isso deu relativamente poucos frutos de maior qualidade. No fim do século XIX, sob a influência de novas ideias, novas tecnologias e novos hábitos de vida, a escultura nacional se veria revigorada, ampliando-se o número de praticantes e as aplicações da arte. Mas, ao mesmo tempo, uma profunda crise de valores agitava a cultura de todo o ocidente. Surgia o Modernismo, uma contestação maciça do cânone acadêmico e de tudo que significasse autoridade e tradição, em nome da liberdade de pesquisa e da individualidade criativa. Desde então o panorama se pulverizou em uma enorme quantidade de tendências estéticas, absorveram-se, com marcada veia experimental, materiais e procedimentos jamais cogitados por escultores acadêmicos, perderam-se os limites nítidos entre as categorias artísticas, o próprio conceito de escultura, antigamente baseado no entalhe e na modelagem, foi largamente ampliado para abranger todos os aspectos relacionados à tridimensionalidade, à espacialidade e à temporalidade, elaborou-se todo um novo discurso teórico e um novo enquadramento sócio-político-econômico, e pluralidade se tornou a palavra de ordem dos contemporâneos, com uma produção que vem ganhando crescente reconhecimento internacional. 
xsd:nonNegativeInteger 381 
xsd:integer 1529722 
xsd:nonNegativeInteger 79702 
xsd:integer 42342983 

data from the linked data cloud