Eduardo I de Inglaterra

http://pt.dbpedia.org/resource/Eduardo_I_de_Inglaterra an entity of type: Thing

Eduardo I (17/18 de junho de 1239 – 7 de julho de 1307), chamado de Eduardo Pernas Longas e o Martelo dos Escoceses, foi o Rei da Inglaterra de 1272 até sua morte. Primeiro filho de Henrique III e Leonor da Provença, Eduardo se envolveu desde cedo nas intrigas políticas do reinado do pai, que incluíram uma rebelião dos barões ingleses. Ele brevemente ficou do lado do movimento de reforma baronial em 1259, apoiando as Provisões de Oxford. Depois de se reconciliar com Henrique, Eduardo permaneceu leal durante o subsequente conflito armado, conhecido como a Segunda Guerra dos Barões. Foi feito prisioneiro pelos barões na Batalha de Lewes, porém escapou alguns meses depois e juntou-se a luta contra Simão de Montfort. Montfort foi derrotado na Batalha de Evesham em 1265 e a rebelião foi suprimi
Eduardo I de Inglaterra 
xsd:integer 1949  1950  1962  1963  1965  1975  1989  1997  1998  2000  2003  2004  2007  2009 
entre outros... 
xsd:integer 17 
#Descendência 
Edward Arnold 
Penguin Books 
Clarendon Press 
Oxford University Press 
Routledge 
Tempus 
Yale University Press 
Eyre and Spottiswoode 
The Clarendon Press 
Tuckwell Press 
Windmill Books 
xsd:integer
Gal nations edward i.jpg 
xsd:integer 245 
xsd:integer
xsd:integer
xsd:integer 978 
xsd:decimal 9780140148244 
xsd:decimal 9780415303095 
Cambridge Historical Journal 
Londres 
New Haven 
Oxford 
Stroud 
East Linton 
Burgh by Sands, Cumberland, Inglaterra 
David 
Eduardo I 
Mark 
Michael 
Donald 
Rees 
G. 
A. L. 
F. M. 
Fiona J. 
G. L. 
G. W. S. 
Marc 
Theodore Frank Thomas 
xsd:integer
xsd:integer 408401 
xsd:integer 983476 
xsd:integer 3693188 
xsd:integer 655056131 
xsd:integer 16 
harv 
Duffy 
Barrow 
Brown 
Morris 
Carpenter 
Sutherland 
Watson 
Davies 
Prestwich 
Harriss 
Plucknett 
Powicke 
Templeman 
Esposas 
Lorde da Irlanda e Duque da Aquitânia 
Rei da Inglaterra 
Robert Bruce and the Community of the Realm of Scotland 
A Great and Terrible King: Edward I and the Forging of Britain 
Under the Hammer: Edward I and the Throne of Scotland, 1286–1307 
Edward I 
Edward I and the Historians 
Legislation of Edward I 
Plantagenet England: 1225–1360 
Royal Tombs of Medieval England 
The Age of Conquest: Wales, 1063–1415 
The Struggle for Mastery: Britain, 1066–1284 
The Thirteenth Century, 1216–1307 
The Governance of Late Medieval England 1272–1461 
Quo Warranto Proceedings in the Reign of Edward I, 1278–1294 
King, Parliament and Public Finance in Medieval England to 1369 
The Three Edwards: War and State in England, 1272-1377 
xsd:integer 10 
Edmundo de Woodstock, 1.º Conde de Kent 
Joana de Acre 
Leonor de Inglaterra 
Margarida de Inglaterra 
Maria de Woodstock 
Eduardo I (17/18 de junho de 1239 – 7 de julho de 1307), chamado de Eduardo Pernas Longas e o Martelo dos Escoceses, foi o Rei da Inglaterra de 1272 até sua morte. Primeiro filho de Henrique III e Leonor da Provença, Eduardo se envolveu desde cedo nas intrigas políticas do reinado do pai, que incluíram uma rebelião dos barões ingleses. Ele brevemente ficou do lado do movimento de reforma baronial em 1259, apoiando as Provisões de Oxford. Depois de se reconciliar com Henrique, Eduardo permaneceu leal durante o subsequente conflito armado, conhecido como a Segunda Guerra dos Barões. Foi feito prisioneiro pelos barões na Batalha de Lewes, porém escapou alguns meses depois e juntou-se a luta contra Simão de Montfort. Montfort foi derrotado na Batalha de Evesham em 1265 e a rebelião foi suprimida em dois anos. Com a Inglaterra em paz, Eduardo partiu em cruzada para a Terra Santa. Ele realizou pouco e estava voltando para casa em 1272 ao ser informado da morte de Henrique. Eduardo voltou devagar e chegou na Inglaterra em 1274, sendo coroado em 19 de agosto. Ele passou grande parte de seu reinado reformando a administração real e o direito comum. Através de extensos inquéritos, Eduardo investigou a duração de várias liberdades feudais ao mesmo tempo que reformava as leis sobre criminalidade e propriedade por meio de estatutos reguladores. Porém, cada vez mais o rei focou sua atenção em assuntos militares. Depois de suprimir uma pequena rebelião em Gales entre 1276 e 1277, Eduardo respondeu a um segunda revolta com uma grande guerra de conquista. Ele subjulgou Gales à Inglaterra, construiu vários castelos e cidades no campo e os povoou com ingleses. Em seguida, Eduardo direcionou seus esforços contra a Escócia. Convidado inicialmente para arbitrar uma disputa sucessória, ele reivindicou suserania feudal sobre o reino. Os escoceses venceram a guerra, mesmo com a vitória inglesa sendo aparente em vários momentos. Ao mesmo tempo existiam problemas internos. Suas extensas campanhas militares forçaram um grande aumentos nos impostos na década de 1290 e Eduardo enfrentou oposição popular e eclesiástica. As crises inicialmente foram evitadas, porém questões ficaram sem resolução. Quando morreu em 1307, ele deixou para seu filho Eduardo II uma guerra contra a Escócia e muitos problemas financeiros e políticos. Eduardo era alto para sua época, dai seu apelido "Pernas Longas". Era temperamental e isso, junto com sua estatura, o transformavam em um homem intimidador, frequentemente inspirando medo em seus contemporâneos. Mesmo assim, era respeitado por seus súditos pelo modo que personificava o ideal medieval de rei: soldado, administrador e homem de fé. Historiadores modernos estão divididos sobre sua avaliação como governante: enquanto alguns o elogiaram por sua contribuição às leis e administração, outros criticaram suas atitudes sem compromisso com a nobreza. Atualmente, Eduardo é creditado por muitas realizações durante seu reinado, incluindo restaurar a autoridade real após o reinado de seu pai, estabelecer o parlamento como uma instituição permanente e, assim, também um sistema funcional para a arrecadação de impostos, reformando leis através de estatutos. Ao mesmo tempo, ele é frequentemente criticado por outras ações, como seu brutal tratamento dos escoceses e publicação do Édito de Expulsão em 1290, em que os judeus foram expulsos da Inglaterra. O édito permaneceu em efeito pelo restante da Idade Média, sendo formalmente anulado por Oliver Cromwell mais de 350 anos depois em 1656. 
xsd:nonNegativeInteger 260 
Eduardo I 
xsd:integer 23320 
xsd:nonNegativeInteger 89446 
xsd:integer 44932106 

data from the linked data cloud