Eduardo Guimarães

http://pt.dbpedia.org/resource/Eduardo_Guimarães

Eduardo Gaspar da Costa Guimarães (Porto Alegre, [[30]] de [[março]] de 1892 — Rio de Janeiro, 13 de dezembro de 1928) foi um escritor, tradutor e jornalista, considerado um dos maiores representantes da poesia simbolista no Brasil. Assinava suas obras como Eduardo Guimaraens.Filho do português Gaspar Eduardo da Costa Guimarães e da brasileira Etelvina da Silveira, seu pai trabalhava na redação do jornal A Federação e também participava da Sociedade Pártenon Literário. Estudou no Colégio Rio-Grandense e no Ginásio Júlio de Castilhos.
Eduardo Guimarães 
Eduardo Gaspar da Costa Guimarães (Porto Alegre, [[30]] de [[março]] de 1892 — Rio de Janeiro, 13 de dezembro de 1928) foi um escritor, tradutor e jornalista, considerado um dos maiores representantes da poesia simbolista no Brasil. Assinava suas obras como Eduardo Guimaraens. Filho do português Gaspar Eduardo da Costa Guimarães e da brasileira Etelvina da Silveira, seu pai trabalhava na redação do jornal A Federação e também participava da Sociedade Pártenon Literário. Estudou no Colégio Rio-Grandense e no Ginásio Júlio de Castilhos. Ao tentar publicar seu primeiro poema, o soneto Aos Lustres, aos 16 anos, no Jornal da Manhã, de Porto Alegre, teve que convencer o editor, Marcelo Gama, que tinha sido realmente o autor da peça. A partir de 1911 colaborou com diversos periódicos de Porto Alegre, entre eles o Jornal do Comércio, Folha da Manhã, Diário, Federação e Correio do Povo. Entre 1912 e 1916 viveu no Rio de Janeiro, onde colaborou nos jornais A Hora, Rio-Jornal, A Imprensa e Boa Hora, e na revista Fon-Fon. Foi diretor da Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul, onde havia começado como auxiliar técnico. Casou com Etelvina da Fontoura Barreto, era pai do também escritor e jornalista Carlos Rafael Guimarães e de Dante Gabriel. Em 1926 adoeceu gravemente, dois anos depois viajou ao Rio de Janeiro para se tratar e lá faleceu. Inicialmente foi sepultado no cemitério São João Batista, seus restos mortais foram transferidos em 1934 para Porto Alegre. Transferiu o nome que adotou a seus filhos, os quais foram registrados como Guimaraens. O sobrenome é mantido por seus netos e bisnetos. Pertencente ao Simbolismo, movimento que produziu grandes poetas tardiamente no início do século XX no Rio Grande do Sul, formou, junto a Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens, a chamada "trindade simbolista" no Brasil. É patrono da cadeira 38 da Academia Rio-Grandense de Letras. Foi homenageado como patrono da Feira do Livro de Porto Alegre de 1969. 
xsd:nonNegativeInteger 46 
xsd:integer 1080035 
xsd:nonNegativeInteger 3409 
xsd:integer 38946889 

data from the linked data cloud