Babilónia (cidade)

http://pt.dbpedia.org/resource/Babilónia_(cidade)

Babilônia (português brasileiro) ou Babilónia (português europeu) (em aramaico: Babel; em árabe: بابل; transl.: Bābil; em acádio: Bāb-ili(m); em sumério: ) foi uma cidade da região homónima, na Mesopotâmia, situada nas margens do rio Eufrates. As suas ruínas encontram-se a norte do centro da cidade atual de Al-Hillah, capital da província de Babil, no Iraque, situada 100 km a sul de Bagdade.
Babilónia (cidade) 
xsd:integer
right 
Planta do templo de Ninmah 
Proposta de reconstituição do templo de Ninmah 
Jastrow, Morris Jr.; Rogers, Robert W.; Gottheil, Richard; Krauss, Samuel 
xsd:integer
xsd:integer
horizontal 
Planta e proposta de reconstituição do (É.MAH), o templo de Ninmah, situado perto da Porta de Ishtar e de planta dita "babilónica" 
Ninmach 1.JPG 
Zentralblatt 61 Babylon Abb 4.tif 
US Navy 030529-N-5362A-001 A U.S. Marine Corps Humvee vehicle drives down a road at the foot of Saddam Hussein's former Summer palace with ruins of ancient Babylon in the background.jpg 
xsd:integer 295 
xsd:integer 32 
xsd:integer 32 
xsd:integer 31 
Vista parcial das ruínas da antiga cidade de Babilônia 
en 
xsd:integer 44 
xsd:integer 25 
xsd:integer 12 
Iraque 
Localização do sítio arqueológico no Iraque 
Babilónia 
Melvyn 
Enciclopédia Judaica. jewishencyclopedia.com 
www.bbc.co.uk 
Essa mulher estava vestida de púrpura e de escarlate, e adornada de ouro, pedras preciosas e de pérolas. Tinha na sua mão um cálice de ouro, repleto de abominações e de impurezas da sua prostituição. 
E vi uma mulher montada numa besta escarlate, cheia de nomes de blasfémia, com sete cabeças e dez cornos 
Na sua testa estava escrito um nome, um mistério: Babilónia a grande, a mãe dos fornicadores e das abominações da terra. 
E vi essa mulher embriagada do sangue de santos e do sangue de testemunhas de Jesus. 
Região histórica 
right 
— Passagem do Livro do Apocalipse 
Babylon 
BABYLON 
Bragg e convidados 
http://www.bbc.co.uk/programmes/p004y25j 
http://jewishencyclopedia.com/articles/2285-babylon 
xsd:integer 125  280  35.0 
xsd:integer 10 
dinastia cassita 
paleobabilónico 
Dinastia cassita da Babilónia 
Dinastia cassita de Babilónia 
Período paleobabilónico 
Período paleobabilónio 
Período paleobabilônico 
Terceira dinastia babilónica 
Terceira dinastia babilônica 
dinastia cassita 
paleobabilónico 
xsd:integer 311 
xsd:integer 539 
xsd:integer 626 
xsd:integer 728 
ca 141 a.C. – 224 d.C. 
ca. 1595 – 
ca. 1800 – 
ca. 2000 – 
Império Acádio e Ur III 
xsd:integer
Babilônia • Babel • 
• Bābil 
Babilônia (português brasileiro) ou Babilónia (português europeu) (em aramaico: Babel; em árabe: بابل; transl.: Bābil; em acádio: Bāb-ili(m); em sumério: ) foi uma cidade da região homónima, na Mesopotâmia, situada nas margens do rio Eufrates. As suas ruínas encontram-se a norte do centro da cidade atual de Al-Hillah, capital da província de Babil, no Iraque, situada 100 km a sul de Bagdade. A partir do início do 2.º milénio a.C. a cidade, até então pouco importante, tornou-se a capital de um reino que estendeu progressivamente o seu domínio a toda a Baixa Mesopotâmia e até para além dessa região. Conheceu o seu apogeu no século VI a.C., durante o reinado de Nabucodonosor II, que governou um império que dominou grande parte do Médio Oriente. Nessa época foi uma das maiores cidades do mundo, cujas ruínas ocupam atualmente vários tells, numa área de cerca de 10 km². O prestígio da cidade estendia-se para além da Mesopotâmia, nomeadamente devido aos seus monumentos célebres que nela foram construídos, como as suas grandes muralhas, o zigurate (Etemenanki), que possivelmente inspirou o mito da Torre de Babel ou os Jardins Suspensos, cuja localização ainda não foi identificada. Babilónia ocupa um lugar especial na história devido a ter-se tornado gradualmente um mito após o seu declínio e o seu abandono, que teve lugar nos primeiros séculos da nossa era. O mito chegou até nós através de várias passagens bíblicas e de relatos de autores greco-romanos que descreveram a cidade e asseguraram a longa posteridade da sua fama, frequentemente de cariz negativo. Apesar da sua localização nunca ter sido esquecida, só no início do século XX é que se realizaram as primeiras escavações importantes, sob a direção do arqueólogo alemão Robert Koldewey, que desenterrou os principais monumentos. A importante documentação arqueológica e epigráfica descoberta na cidade, completada por informações provenientes de outros sítios arqueológicos antigos que tiveram relações com Babilónia, permitiram formar uma representação mais precisa da cidade, para além dos mitos. Tal não obsta a que não haja lacunas no conhecimento que se tem daquele que é um dos sítios arqueológicos mais importantes do Antigo Próximo Oriente, que persistem devido aos trabalhos arqueológicos estarem parados devido à situação política instável do Iraque nas última décadas. 
xsd:nonNegativeInteger 465 
xsd:integer 4422328 
xsd:nonNegativeInteger 168996 
xsd:integer 44888087 

data from the linked data cloud