Arau-gigante

http://pt.dbpedia.org/resource/Arau-gigante an entity of type: Thing

Arau-gigante ou alca-gigante (nome científico: Pinguinus impennis) é uma ave extinta da família dos alcídeos que vivia no Atlântico Norte. Seu território original compreendia uma vasta região do Canadá a Noruega, incluindo a Islândia, ilhas Britânicas, França e norte da Espanha. Incapaz de voar, passava a maior parte da vida na água, de onde saía apenas na época do acasalamento. Formava grandes colônias em ilhas rochosas isoladas, com fácil acesso ao mar e alimento em abundância por perto. Poucos locais preenchiam esses requisitos, de modo que a ave, provavelmente, nunca teve mais que vinte colônias de reprodução, das quais apenas seis são conhecidas. Durante o inverno migrava para o sul, aos pares ou em pequenos grupos.
Arau-gigante 
xsd:integer 1989  1999  2000 
Errol Fuller 
Pinguinus impennis 
xsd:integer
Oxford University Press 
Warner Books 
Crestwood House 
Privately Published 
† P. impennis 
EX 
xsd:integer 1852 
† Pinguinus 
inglês 
Great Auk specimen, Kelvingrove, Glasgow - geograph.org.uk - 1108249.jpg 
Exemplar empalhado e réplica do ovo em Kelvingrove, Escócia. 
xsd:integer
xsd:decimal 9780198564782 
Nova Iorque 
Southborough, Kent, UK 
GreatAukMap.svg 
Área de distribuição aproximada com locais de reprodução . 
Arau-gigante 
Christopher 
Emily 
Jeremy 
Errol 
xsd:integer 227 
harv 
iucn3.1 
Fuller 
Cokinos 
Crofford 
Gaskell 
Gone Forever: The Great Auk 
Hope is the Thing with Feathers: A Personal Chronicle of Vanished Birds 
The Great Auk 
Who Killed the Great Auk? 
EX 
iucn3.1 
Arau-gigante ou alca-gigante (nome científico: Pinguinus impennis) é uma ave extinta da família dos alcídeos que vivia no Atlântico Norte. Seu território original compreendia uma vasta região do Canadá a Noruega, incluindo a Islândia, ilhas Britânicas, França e norte da Espanha. Incapaz de voar, passava a maior parte da vida na água, de onde saía apenas na época do acasalamento. Formava grandes colônias em ilhas rochosas isoladas, com fácil acesso ao mar e alimento em abundância por perto. Poucos locais preenchiam esses requisitos, de modo que a ave, provavelmente, nunca teve mais que vinte colônias de reprodução, das quais apenas seis são conhecidas. Durante o inverno migrava para o sul, aos pares ou em pequenos grupos. O arau-gigante media até 85 cm de altura e pesava cerca de 5 kg. Seu dorso era preto, enquanto que a parte ventral tinha cor branca. O bico era curvo, forte, negro e com ranhuras na superfície. Durante o verão a plumagem apresentava uma mancha branca sobre cada olho, que desaparecia no inverno e dava lugar a uma faixa branca entre os olhos. Suas pequenas asas, de apenas 15 cm de comprimento, não lhe permitiam voar. Em contrapartida, o arau-gigante era um exímio nadador: mergulhava a mais de 70 metros de profundidade e conseguia prender a respiração por 15 minutos, mais que uma foca. Sua dieta era composta basicamente por peixes. É a única espécie moderna do gênero Pinguinus, termo originário do galês pen gwyn, seu antigo nome popular nas ilhas Britânicas. Quando os exploradores europeus descobriram no hemisfério Sul as aves conhecidas hoje como pinguins, eles notaram a aparência similar ao arau-gigante e as batizaram com esse nome, que persiste até a atualidade. Apesar de parecidos, araus e pinguins não têm nenhum parentesco próximo e sequer são classificados na mesma ordem de Aves. O arau-gigante foi caçado pelos seres humanos desde a pré-história. O extermínio aumentou drasticamente com o advento das navegações, pois os ovos e a carne da ave serviam de comida para os marinheiros. Eles também matavam os araus para usá-los como isca de pesca e até como "lenha" de fogueira: a queima dos corpos, ricos em gordura, liberava óleo suficiente para manter uma chama acesa. A pressão sobre a espécie se acentuou quando suas plumas viraram uma matéria-prima popular para travesseiros. Os cientistas da época perceberam que o arau estava desaparecendo e algumas leis de proteção foram criadas, mas nenhuma mostrou eficácia. No início do século XIX, com sua raridade cada vez maior, exemplares do animal e seus ovos se tornaram alvo de museus e colecionadores, que pagavam para obter espécimes. ​​Um arau-gigante vivo foi visto pela última vez em 1852. Atualmente, 78 peles da ave ainda existem, a maioria em coleções de museus, além de cerca de 75 ovos e 24 esqueletos completos. 
xsd:nonNegativeInteger 230 
Arau-gigante 
xsd:integer 594790 
xsd:nonNegativeInteger 60957 
xsd:integer 44987246 

data from the linked data cloud